Uberlândia completa134 anos de emancipação política

Uberlandenses que presenciaram e fizeram parte da história da cidade contam as transformações do município sob suas perspectivas

Cultura – Uberlândia 134 anos o progresso pelos olhos do povo.jpg
Foto área atual do bairro Martins – Secretaria de Governo e Comunicação
Texto da Secom/PMU

A Prefeitura de Uberlândia dá sequência à série especial de aniversário de 134 anos do município, trazendo duas uberlandenses para contar suas vivências na cidade. Por meio da tradição oral da população local, é possível reviver momentos importantes do município que se entrelaçaram com a história de seus habitantes.

Jucélia Borges Dornellas Vieira de 62 anos é uberlandense e formada em Letras pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). A professora aposentada relembra como foi sua infância em um dos principais bairros centrais do município, o Martins. “Eu nasci numa casa localizada na avenida Engenheiro Diniz e algum tempo depois meus pais adquiriram um imóvel perto do cemitério São Pedro, na avenida Araguari. Lembro que essa rua tinha duas mãos e terminava na antiga avenida Goiânia, que levava direto para a capital de Goiás”, conta.

A uberlandense relembra como a segunda maior cidade mineira era simples em sua infância, mesmo em um bairro que rapidamente tornou-se central. “Quando eu era criança, as ruas não tinham asfalto, não havia essa variedade de mercados que temos hoje e nem um sistema integrado de transportes. Naquela época, a Prefeitura dava manutenção nas ruas por meio de patrolamento, aplicando cascalho em locais mais danificados. Ao invés dos supermercados, eram armazéns em que as pessoas compravam os produtos que precisavam por meio de caderneta. Já o leite e o pão chegavam na porta de casa, lembro que eles entregavam aquelas ‘bisnagonas’ para as famílias”.

Jucélia conta que seus pais não eram nascidos em Uberlândia: o pai era de Nova Ponte e sua mãe de Sacramento, ambos mineiros que deram origem a cinco uberlandenses. “Eu sou abençoada porque tive uma infância muito feliz. Meus pais se casaram somente no religioso, na Catedral de Santa Teresinha, tiveram cinco filhos e eu fui uma das agraciadas”.

O pai de Jucélia era motorista de ônibus intermunicipal e em suas folgas levava os filhos para fazerem diferentes passeios pela cidade. “Me lembro que tinha o rio Uberabinha, ali perto do Praia Clube, e meu pai nos levava para fazer piquenique em suas margens. Onde hoje em dia é cheio de casas, edifícios e ruas pavimentadas, naquela época era um descampado, cheio de chácaras, com um curtume e um frigorífico próximos”, relembra.

As visitas e passeios em família passavam por pontos muito relevantes para a história do município, que foram destacados nos primeiros textos desta série especial de aniversário, o que denota a importância destes locais através do tempo para a cidade. “Eu tenho essa nítida lembrança de quando meu pai chegava de viagem irmos para o centro fazer compras. E onde ali fica o Terminal Central, na avenida João Pessoa, tinha um trilho da Mogiana e nós íamos até a estação para passear. Também me lembro da rodoviária porque íamos muito para lá, depois o local se tornou a Biblioteca Municipal, que também foi muito importante para mim, incontáveis vezes lá estive para estudar para concurso”. Hoje a Biblioteca Municipal está no Centro Municipal de Cultura e a Rodoviária no bairro Martins, próxima à Praça da Bíblia. Já o antigo prédio da Biblioteca Municipal se tornou o Museu Anexo.

Cores e sabores do bairro Martins

A artesã Vânia Andrade Callegari, de 62 anos, também viveu boa parte de sua vida no bairro Martins, mas nasceu e passou a infância no bairro Bom Jesus, quando os loteamentos desse espaço ainda eram pouco povoados. “Hoje a casa que eu morava no Bom Jesus nem existe mais. A lembrança que tenho é que, naquela época, o bairro era brejo e quase não tinham casas ainda. Ele era localizado na beirada da rodovia e fazia divisa com o bairro Martins”.

Vânia relembra que andava de bicicleta e carroça com seus irmãos nas ainda tortuosas ruas de cascalho do Bom Jesus. “Na minha época não tinha tanta atividade de lazer, brincávamos mais na rua e íamos ao circo quando vinha, em geral, na avenida Araguari”. O bairro, que ainda estava em seu início, não possuía escolas, por isso a artesã precisava caminhar, acompanhada de sua mãe e irmãos, até a escola da Igreja Nossa Senhora de Fátima, que ficava no bairro Martins. “Toda minha vida foi entre o bairro Bom Jesus e Martins”.

A mãe de Vânia era costureira e o pai produtor rural. Ele plantava uma diversidade de hortaliças ao lado da casa onde cresceram. A plantação ficava onde hoje se localiza o Colégio Batista Mineiro. “Meu pai tinha muita dificuldade de saber onde vender suas hortaliças, até então ele vendia na carrocinha de cavalo trotando pela cidade e oferecendo seus produtos. Foi quando ele soube que em outras cidades acontecia uma tal de ‘feira livre’. Então ele resolveu montar uma feira livre aqui em Uberlândia, convidou alguns amigos que também eram produtores rurais e se uniram para fundar as feiras da cidade”.

Mais tarde, Vânia se graduou em Artes Plásticas na UFU, casou-se e teve três filhas. Após sua formação, começou a lecionar na rede estadual de ensino, mas percebeu que sua vocação era outra. Ela então inaugurou seu ateliê no bairro Martins, onde ainda hoje dá aulas de pintura e vende suas confecções em um espaço organizado e tranquilo. Já o marido de Vânia deu prosseguimento ao legado do sogro, Eupíde Andrade, e se tornou um dos tantos feirantes de Uberlândia.

“O bairro Bom Jesus mudou totalmente, veio o comércio, asfaltaram as ruas, construíram casas. Antes o comércio ficava só na Afonso Pena e Floriano Peixoto, mas acabou vindo para o nosso lado também e se espalhando para a cidade toda”, analisa Vânia. “Hoje é muito diferente, o Martins é um bairro completo, tem vários atacadistas, o comércio se estabeleceu, ele foi crescendo demais em pouco tempo e hoje é um bairro central”, afirma Jucélia.

Através das falas das uberlandenses é possível constatar que, em menos de 60 anos, bairros ainda ruralizados se tornaram centros urbanos desenvolvidos e modernos. “Eu me orgulho muito de morar em Uberlândia e eu observo que o uberlandense é uma pessoa que gosta de progresso e tem uma dinâmica acelerada. Olha que cidade bem estruturada, hoje em dia temos tudo!”, finaliza Jucélia.

 

Especialista do HC-UFU orienta sobre a monkeypox

Período de evolução desta zoonose é de cerca de 21 dias

Ascom/UFU

Unidade de Vigilância em Saúde do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU/Ebserh) orienta sobre os principais sinais e sintomas da monkeypox, uma variante da varíola. A doença, considerada uma zoonose endêmica em algumas regiões do continente africano, tem se espalhado rapidamente entre humanos em diversos lugares do mundo e foi considerada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como emergência pública de preocupação global.
O principal sinal da doença, causada pelo Monkeypox vírus, são as lesões vesicais vermelhas na pele, mas também é comum entre os infectados dores musculares, dor de cabeça, cansaço, estado febril e aumento dos linfonodos (ínguas). A transmissão ocorre principalmente por meio de contato com objetos contaminados (toalhas, roupas etc) ou com as lesões e fluidos de uma pessoa que está com a doença. A duração dos sintomas e das lesões varia de 2 a 4 semanas.
Para Francielly Marques Gastaldi, médica infectologista do HC-UFU, a doença é benigna; no entanto, é necessário que os grupos imunossuprimidos tenham mais cautela. “De maneira geral, ela tem uma evolução natural e tanto as lesões quanto os sintomas tendem a desaparecer em cerca de 21 dias. Pessoas com comorbidades ou com baixa imunidade precisam ter atenção redobrada para evitar complicações”, alerta.
Até o momento, ainda não há medicamento específico e aprovado para o tratamento da monkeypox no Brasil. O cuidado é realizado por meio do controle e alívio dos sintomas além de ações de prevenção.

Como deve ser a conduta nos serviços de saúde?
Considerando o crescente número de casos entre humanos, é preciso atentar-se a alguns cuidados para prevenir a contaminação; portanto, após a avaliação de possíveis diagnósticos diferenciais, os casos suspeitos devem ser notificados à Epidemiologia/UVS (ramal 2504) e o paciente deve permanecer em isolamento até o desaparecimento das crostas (em casa ou em quarto privativo se estiver hospitalizado).
O atendimento ao paciente suspeito ou com diagnóstico confirmado deve ser realizado utilizando os equipamentos de proteção individual adequados (luvas, capote e máscara cirúrgica para atendimento habitual ou N95 para procedimentos que produzam aerossóis). A higienização de superfícies e objetos contaminados deve ser feita com quaternário de amônia (GermRio).
É importante lembrar-se que a transmissão por gotículas pode ocorrer em casos de contato próximo durante a assistência.

Evolução da doença
Na imagem é possível ver a evolução das lesões na pele. “Elas iniciam como pequenos pontinhos vermelhos na pele e vão evoluindo para vesículas preenchidas com secreção. Com o passar das semanas, elas se rompem e se transformam em crostas que vão secando até desaparecer”, explica Francielly Gastaldi.

 

Trabalho de recuperação asfáltica atende 10 bairros nesta quinta-feira (11)

Equipes atuam por meio de cronograma elaborado diariamente pela Secretaria Municipal de Obras

Foto: Araípedes Luz – Secretaria Municipal de Governo e Comunicação/PMU

A quinta-feira (11) marca a chegada do serviço de recuperação asfáltica a mais de 20 vias em 10 bairros: Gramado, São Jorge, Santa Mônica, Dona Zulmira, Brasil, Umuarama, Tibery, Cidade Jardim, Pampulha e Jardim Botânico. O cronograma de trabalho é elaborado diariamente por técnicos municipais, por meio do mapeamento das vias e, também, via solicitação dos cidadãos junto à Prefeitura.

As equipes trabalham nos locais com a aplicação de Concreto Betuminoso Usinado à Quente, conhecido como CBUQ, utilizado para reparos de grandes extensões ou onde há a incidência de muitos buracos, devido a sua maior capacidade de rendimento do serviço.

Para solicitar o serviço, os cidadãos podem repassar ao Serviço de Informação Municipal (SIM) pelo telefone: 3239-2800, os locais.

Primeiro Semestre
O Programa Uberlândia Integrada II, o maior pacote de intervenções viárias da história da cidade, segue executando diversas intervenções. Uma delas é o trabalho de manutenção do pavimento asfáltico, somente nos seis primeiros meses de 2022 foram aplicadas 10.592 toneladas de massa asfáltica na Tapa-Buracos. Ao todo, 77 bairros foram atendidos e 1.270 ruas puderam ser contempladas com as melhorias dos serviços da Secretaria de Obras.

Edital seleciona 35 tutores para cursos de aperfeiçoamento a distância

Profissionais da rede pública de ensino irão atuar em três cursos de saberes e práticas inclusivas; inscrições estão abertas e prosseguem até 31 de agosto

Ascom/UFU

A Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (Proexc) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), em parceria com o Centro de Educação a Distância (CEaD), está com edital aberto em um processo seletivo simplificado para contratação temporária de tutores a distância.
Os selecionados irão atuar em três cursos de aperfeiçoamento, sendo eles em: “Transtorno do Espectro Autista e Deficiência Intelectual: saberes e práticas educacionais inclusivas”; “Altas Habilidades ou Superdotação: práticas educacionais inclusivas no contexto do AEE”; e “Serviço de Atendimento Educacional Especializado aos educandos com deficiência auditiva oralizados”.
A proposta é, no contexto da escola inclusiva, capacitar docentes atuantes em Atendimento Educacional Especialização (AEE), da rede pública de ensino, para a prática pedagógica voltada a atender os estudantes com autismo; com deficiência intelectual; com altas habilidades/superdotação e os com deficiência auditiva que são oralizados.
O período de inscrições é entre os dias 11 e 31 de agosto. O edital oferece 35 vagas, além de formação de cadastro de reserva. Os tutores receberão bolsa no valor de R$ 765,00, durante um período de seis meses – prorrogáveis por igual período, em casos de oferta de outras edições dos cursos e dos recursos disponíveis. Os documentos comprobatórios devem ser encaminhados, exclusivamente, para o e-mail: cursosaperfeicoamentomecufu@gmail.com.
Todos os documentos e informações deste processo seletivo simplificado estão disponíveis no Portal de Editais e Concursos da UFU.

Procon tem programação especial no mês do aniversário de Uberlândia

Unidade móvel estará na manhã deste sábado (13), na sede da Adeviudi, com computadores equipados com comando de voz

Secretaria de Governo e Comunicação / PMU

Em comemoração ao aniversário de 134 anos de Uberlândia, a programação do Procon Móvel neste mês está extensa. Além dos atendimentos na praça Tubal Vilela, às segundas, e nos bairros, de terça a sexta-feira, a unidade móvel vai prestar serviços à comunidade em ações sociais, realizadas por entidades, como na Adeviudi e Aciso (Ação Cívico Social da Policia Militar). O Procon Móvel estará, ainda, no CEU Shopping Park e no Camaru. Confira AQUI.

Na manhã deste sábado (13), durante as comemorações dos 50 anos da Adeviudi, o Procon Móvel estará equipado com dois computadores com aplicativo de voz para atendimento às pessoas com deficiência. O programa interage com o sistema operacional da máquina e transforma todo conteúdo textual em fala. Segundo a superintendente do Procon, Elisabeth Ribeiro, o objetivo de promover mais acessibilidade e autonomia às pessoas com deficiência.

Ainda dentro das ações especiais para agosto, ocorrerá uma ação especial no Terminal Rodoviário Castelo Branco entre os dias 22 e 26. Será realizada uma ação educativa em parceria com a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e Departamento de Estradas e Rodagens (DER). A ação será focada nos direitos dos passageiros e pessoas que utilizam o Terminal. “A ideia desta ação educativa é auxiliar e instruir o passageiro sobre seus direitos na hora de comprar a passagem, como proceder em caso de ônibus atrasados, gratuidades asseguradas por lei, entre outros”, informa Elizabeth Ribeiro. Durante esta semana, o Procon Móvel estará estacionado na praça da Bíblia.
Em todos os eventos, estarão disponíveis orientações sobre os direitos do consumidor, abertura de reclamações sobre problemas relacionados a compras, empréstimos, cobranças indevidas, renegociação de dívidas, entre outros. Para abrir um procedimento, é preciso cópias dos documentos pessoais, dos contratos firmados entre as partes, comprovantes da aquisição do bem e números de protocolo de reclamações junto às empresas. Para ser atendido, não é necessário fazer o agendamento.

PROGRAMAÇÃO PROCON MÓVEL – AGOSTO
Dia 13/08
Ação Social em comemoração aos 50 anos Adeviudi
Avenida Segismundo Pereira, 1355, Santa Mônica
8h às 12h

Do dia 16/08 a 19/08
Bairro Jaraguá
Praça Montense, esquina com a Rua das Cerejeiras
12h às 17h

Do dia 23/08 a 26/08
Bairro Martins
Praça da Bíblia – Terminal Rodoviário
12h às 17h

Dia 27/08
Reinauguração CEU Shopping Park
Rua Juvenília Mota Leite, 700
9h às 14h

Dia 28/08
Aciso
Posto Rio das Pedras (BR-365, km 652, s/n, Morada do Sol)
9h às 16h

Do dia 29/08 a 02/09
Camaru
Rua Juracy Junqueira Rezende, s/n
16h às 22h

Comitê Gestor dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da UFU lança espaço institucional no Portal UFU

Universidade Federal de Uberlândia trabalha para alcançar a Agenda 2030 da ONU, incluindo objetivos em seus planos pedagógicos e projetos de extensão

Ascom/UFU

UFU está aliada aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. (Arte: Milena Félix)
O Comitê Gestor dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da Universidade Federal de Uberlândia (CGODS/UFU) lança um espaço próprio de informações relativas aos seus projetos e ações no Portal da UFU.
Iniciado em 2017, o comitê vem realizando diversas atividades em prol da estruturação, na universidade, de uma cultura voltada para a implantação e registro de ações relacionadas aos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) propostos pela Organização das Nações Unidas (ONU) para a Agenda 2030. Os ODS dizem respeito à construção de uma sociedade preocupada com todos os aspectos humanos e ambientais para uma vida equilibrada e saudável junto ao planeta.
A UFU tem se comprometido com os ODS e visado colaborar com o alcance da Agenda 2030, enquanto uma instituição com muita influência local e regional. Assim, no Plano Institucional de Desenvolvimento e Extensão (Pide), desenvolvido pela Universidade Federal de Uberlândia para os próximos seis anos (2022-2027), cada projeto de extensão da instituição deve estar vinculado a um dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. São eles: erradicação da pobreza; fome zero e agricultura sustentável; saúde e bem-estar; educação de qualidade; igualdade de gênero; água potável e saneamento; energia limpa e acessível; trabalho decente e crescimento econômico; indústria, inovação e infraestrutura; redução das desigualdades; cidades e comunidades sustentáveis; consumo e produção responsáveis; ação contra a mudança global do clima; vida na água; vida terrestre; paz, justiça e instituições eficazes; e parcerias e meios de implementação.
De acordo com a presidente do comitê, Jaluza Borsatto, “a realização do Pide pelas Unidades Acadêmicas, no fim de 2021, e que exigia a correlação das ações planejadas com algum dos ODS, revelou que a comunidade universitária ainda precisa compreender melhor como sistematizar e registrar os ODS, até porque muitas ações em andamento já estão conectadas aos objetivos, faltando, no entanto, consolidá-las dentro do perfil de um dos objetivos prescritos pela Agenda 2030 da ONU”.
Os atuais trabalhos do CGODS – gerido por cinco Grupos de Trabalho – envolvem desde o mapeamento dos projetos de extensão (inclusive os já finalizados), que poderão ser associados a alguns dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, até a sugestão aos cursos de graduação, de inserção, quando for o caso, desses ODS nos Projetos Pedagógicos.
Essas e outras ações serão oportunamente detalhadas por meio de conteúdos específicos, divulgados nos canais de comunicação UFU e duplicados de forma resumida por meio de notas inseridas na aba de “notícias” do site do CGODS.
Se você faz parte da comunidade UFU e está interessado em divulgar alguma ação relacionada com algum dos ODS, por favor, entre em contato com o e-mail cgods@reito.ufu.br.