Caras de pau!

Tania Tavares*

Ver o ministro da Saúde Pazuello,dar entrevista pousando de responsável por termos a vacina CORONAVAC é de um descaramento e cara de pau igual a do seu chefe(inho) que sempre desdenhou a vacina.Parabéns ao Butantan, ao governador de São Paulo e a todos que se voluntariaram para que hoje pudéssemos vacinar a 1ª brasileira. Viva 17/01/2021!

*Professora

O Governo precisa se preparar para enfrentar um Vendaval

Ivan Santos*

O Brasil continua a patinar num imenso areal há muito tempo. Depois de mais de uma década perdida nos governos de Lula e Dilma, a economia do País segue estagnada e castigada por uma pandemia longa e cruel.
No primeiro tempo do mandato do atual presidente governo da República adiou as reformas Administrativa e Tributária para montar um Ministério conservador. No segundo tempo o adiamento das reformas continua por falta de apoio político no Congresso e por causa da Pandemia que continua. O líder liberal está neste momento enredado com um processo de vacinação coletiva contra o Corona e se esforça para emplacar aliados no comando do Senado e da Câmara.
A verdade é que, dois anos depois da posse do governo liberal, só vingou a Reforma da Previdência por esforços do Congresso. Hoje, ninguém fora do Governo, sabe qual será a política para a economia. Extraoficialmente circulam boatos que apontam para discussões no Congresso sobre propostas para a redução do Custo Brasil e modernização tributária que permitam às empresas nacionais a capacidade de competir no Brasil e no exterior. Por enquanto só especulações. Ainda não há propostas concretas sobre este assunto.
O Ministro da Economia trabalha neste momento em silêncio e o Presidente, mesmo diante de uma crise sanitária sem precedentes, tem um projeto prioritário em mente: a reeleição em 2022.
Não há proposta real sobre Reforma Administrativa ou Tributária. Depois de encerrado o Auxílio Emergencial ninguém ainda sabe como viverão milhões de famílias sem renda alguma no Brasil. O governo precisa fazer alguma coisa e o Congresso, que se reunirá a partir de fevereiro, precisa dar uma resposta à população. Neste ano não deve haver Carnaval, mas o Governo precisa se preparar para enfrentar um Vendaval com vários sambas do crioulo doido.

*Jornalista

AS MÚMIAS DE UBERABINHA

Antônio Pereira da Silva*

Já tivemos mentirosos históricos, inesquecíveis. Não eram pessoas más. Gostavam de se divertir e de divertir os amigos. Foram substituídos lentamente pelo rádio, pelo cinema e pela televisão. Pra que mentirosos hoje? É só ligar o computador.
Nas primeiras décadas do século passado, a mentira grassava. Além das notícias falsas, que os jornais publicavam “A Pedidos”, geralmente fofocas políticas, havia publicações que eram totalmente espúrias. Jornais que não existiam, mas que circulavam pelas madrugadas com todo o aparato de publicação séria. Só com besteiras e boatos.
Nos começos do século XIX circulou mentira do tamanho da que vamos contar com consequências mais graves. Uma expedição de bandeirantes circulou por anos nos sertões da Bahia e acabou topando com uma cidade abandonada, com praças, ruas, monumentos, estátuas, palacetes. O relato desses bandeirantes foi publicado na revisa do Instituto Histórico Brasileiro e estimulou muitos aventureiros a se meterem pelas matas baianas. Só que ninguém achou coisa alguma.
A professora Maria Antonieta Borges Lopes, da Academia de Letras do Triângulo Mineiro, no dia 12 de janeiro de 2019, repassou-me mensagem, emitida por André Borges Lopes, falando da publicação de uma carta pelo jornal “O Estado de São Paulo”, enviada pelo uberabense Marçal Ferri, em 9 de dezembro de 1916, sobre fato curioso ocorrido em Uberabinha. No dia 14, o “Lavoura e Comércio”, de Uberaba, republicou a notícia.
A carta dizia que seu autor tinha recebido correspondência do conhecido uberabinhense, fazendeiro e vereador, José Camin, que lhe relatava uma estranha descoberta. Transcrevo trecho da mesma:
“O raizeiro José Gomes da Fonseca, apelidado Zé Creca, buscava raízes nas terras de uma fazenda a seis léguas do centro da cidade, quando topou com uma gruta escondida, cuja entrada estava obstruída por espinheiros e infestada de marimbondos. Com ajuda do seu irmão, espantou os insetos, abriram a entrada e, munidos de tochas, adentraram num túnel com cem braças de extensão. No final, encontraram uma habitação abandonada com 14 cômodos. Havia mobília variada, feita em aroeira e pintada com gosto, além de pratos de barro claro trazendo pinturas esquisitas. Pelo estilo, os objetos demonstravam ser de período pré-histórico, talvez até do período antediluviano. ”
“O relato não parava aí: das paredes pendiam, imitadas em massa duríssima, cabeças humanas e felinas ricamente enfeitadas com ornamentações em ouro. Por fim, a cereja do bolo: descobriram 17 cadáveres mumificados muito bem conservados (…) que, pelo que se pode concluir de sua extraordinária estatura, pertencem a um tipo de índios até hoje desconhecido.”
Pressionado, o “Estadão” mandou repórteres a Uberabinha para conferir a bizarra notícia. Ninguém da região conhecia a tal gruta. Dias depois, não encontrando nada, o Estadão desmentiu a nota. Seus repórteres descobriram que não existia o autor da notícia, Marçal Ferri, que José Camin não tinha escrito carta nenhuma sobre esse assunto a quem quer que seja e que o José Gomes, raizeiro, não era Fonseca nem tinha o apelido de Zé Creca nem tinha encontrado coisa alguma exótica.
Procurei no “Lavoura e Comércio” o desmentido, mas não encontrei. Pura mentira que o “Estadão” engoliu. Os tempos avançaram, as mentiras mudaram. Hoje só espalham terror e preconceito, ódio e diferenças.
Bons tempos de boas mentiras…
…que acabaram.

*Jornalista e escritor – Uberlândia – MG – apis.silva@terra.com.br

Prefeitura de Uberlândia anuncia Plano de Vacinação contra Covid-19

Modelo contempla quatro fases de vacinação e organização do aparato para início da campanha; para garantir recebimento das doses, será necessário cadastro no portal da Prefeitura

Foto: Valter de Paula/Secretaria de Governo e Comunicação

Para melhor atender a população no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus, a Prefeitura de Uberlândia já estruturou o plano de ação para iniciar a vacinação na cidade. Nesta sexta-feira (15), o prefeito Odelmo Leão e o secretário municipal de Saúde, Gladstone Rodrigues da Cunha, apresentaram o Plano Municipal de Vacinação contra a Covid-19. Durante a coletiva que aconteceu no Centro Administrativo Municipal, o prefeito Odelmo Leão reforçou que, assim que as doses chegarem, o plano de vacinação será iniciado imediatamente.

“Estamos preparados para iniciar a vacinação assim que as doses forem enviadas pelo Ministério da Saúde ao Governo Estadual, que repassa para o município como acontece com as demais vacinas. Ainda não sabemos a quantidade que será destinada à cidade, mas estamos com todo o plano elaborado para executar de acordo com a primeira remessa”.

O modelo adotado pelo município segue o proposto pelo Ministério da Saúde, que contempla quatro fases de vacinação. Com a chegada das doses, o início da vacinação começa com a primeira fase que abrange: os trabalhadores de saúde (profissionais que prestam serviço em estabelecimento de saúde), idosos acima de 75 anos, idosos com mais de 60 anos que moram em Instituições de Longa Permanência (ILPIs) e acamados.

Cadastro da vacinação

Para que essas pessoas possam receber as doses, será necessário que elas façam cadastro prévio pelo portal da Prefeitura, no campo “Enfrentamento ao Coronavírus”, a partir de segunda-feira (18). No cadastro, será necessário preencher os dados pessoais, endereço e telefone, pois a partir destas informações é que ocorrerá a vacinação destas pessoas, conforme explicou o secretário de saúde, Gladstone Rodrigues da Cunha.

“Estamos trabalhando ainda com uma indefinição de quantidade de doses e temos várias linhas de frente de atuação. Por isso, precisamos do cadastro atualizado das pessoas da primeira fase. Temos a expectativa de vacinar 18 mil trabalhadores de saúde e 85 mil idosos. Mas, para contemplar todo o grupo da primeira fase, pedimos para que estas pessoas, com exceção das ILPIs que já temos o registro, façam o cadastro da vacinação, atualizem os dados para que os profissionais da Secretaria Municipal de Saúde possam entrar em contato e fazer o agendamento”.

Para o agendamento da vacinação, a Prefeitura de Uberlândia utilizará da ferramenta de georreferenciamento da empresa de Processamento de Dados de Uberlândia (Prodaub). Por meio desta tecnologia, o agendamento da vacinação será feito para locais abertos e próximos às pessoas cadastradas. Após a vacinação deste grupo da primeira fase, será aberto o cadastro para as outras etapas que são:

– Fase 2: pessoas de 60 a 74 anos;
– Fase 3: Pessoas com comorbidades crônicas, transplantados e obesidade;
– Fase 4: Profissionais da Educação, pessoas deficiência severa, primeiros socorristas, funcionários de sistemas prisionais, trabalhadores do transporte coletivo, transportadores rodoviários de cargas, população privada de liberdade;

Estrutura e logística

Ainda durante a coletiva, o secretário municipal de Saúde, Gladstone Rodrigues, informou que o Município também está equipado para iniciar a vacinação assim que as doses chegarem. Atualmente, há no estoque cerca de 100 mil seringas e, ainda no ano passado, foi realizado um pedido de outras 400 mil seringas. Os profissionais da atenção básica da rede municipal já estão escalados para a campanha.

O local de armazenamento das doses já foi preparado, com todos os equipamentos necessários para conservar as vacinas. Além disso, os locais de vacinação, que serão em espaços amplos e arejados para garantir a segurança de todos, também já foram definidos e serão divulgados posteriormente em momento adequado.