A FINITUDE DA VIDA TERRENA

José C Martelli – Advogado e professor – Espírito Santo dp Pinhal – SP

Uma das dificuldades que tenho tido ultimamente é a de buscar assuntos interessantes para comporem minhas crônicas dominicais.
Ao mesmo tempo em que a vida busca seu ocaso, quando se tem a felicidade de ter boa saúde, ela vai se tornando cada dia mais simples. Os amigos vão ficando pelo caminho e a gente vai ficando só.
Há os filhos, mas estes, cada um com as respectivas famílias, têm outros compromissos a se juntarem aos das visitas ao seu pai.
Então não há mais aquela profusão de assuntos que permeavam nossa mente em anos não muito longínquos.
O jeito é improvisar. E o melhor jeito de improvisar e requentar escritos, alguns dos quais não perdem a atualidade como o que fui buscar em 29.08.2021, sob o título que encima esta crônica e que ora repito.
A FINITUDE DA VIDA TERRENA
“Sempre tive vontade de ser uma pessoa do bem.
E, nessa busca, um de meus exercícios, se bem que esporádicos, eram visitas ao cemitério de minha cidade natal, Espírito Santo do Pinhal, para prantear meus mortos, além de aproveitar para reflexões sobre a vida terrena de muitos dos que ali jaziam, centenas deles, com os quais convivi.
Nesse perambular, não podia deixar de me lembra dos últimos versos de um soneto, cujo autor desconheço, mas que aqui reproduzo:

“são da vida apenas dois destroços,
ricos e pobres igualados pela morte,
na confusão dos vermes e dos ossos”

Essa é a verdade! Nua e crua! Deste mundo nada se leva. Ali termina tudo. Abaixo da linha da terra, tudo se iguala.
LEDO ENGANO.
Ficam as obras. Ficam o amor ao próximo e a caridade. Ficam a disponibilidade em servir e em se doar. Fica o desapego a coisas materiais.
Na memória e no coração dos que aqui permanecem, tudo isso fica.
Era o que sempre constatava nessas minhas reflexões.
Pois é. Mas como Deus tem me permitido uma vida longa, juntamente com ela, estou aprendendo a ser feliz.
Desligo-me do passado e procuro viver intensamente o presente, buscando nele momentos prazerosos. Não penso no futuro, a não ser para trazê-lo, em sonhos e desejos, para o meu presente, que é tudo que me importa.
O futuro, como bem diz a sabedoria popular, a Deus pertence.
Descarto, ou se quiserem uma linguagem mais atual, deleto tudo que possa tisnar um presente que pretendo seja tão gratificante quanto possível.
Busco a companhia de pessoas agradáveis, otimistas, que transpirem não apenas disponibilidade, amor e querências mas, sobretudo, sabedoria que me acrescente algo.
Para os que conhecem o Evangelho de Jesus Cristo, hoje, as palavras de Marcos, nos alertam para que estejamos sempre vigilantes. A qualquer momento e qualquer que seja nossa idade, poderemos deixar esta vida terrena.
Então há que estar preparados e nele está implícito: não importa o passado, não importa o futuro, o que importa é o hoje. Que sejamos felizes HOJE e que estejamos sempre preparados e merecedores das bênçãos divinas.

CINISMO!

Tania Tavares – Professora – SP – taniatma@hotmail.com

Quando se fala em Educação Sexual para alunos do Ensino Fundamental II das Escolas Públicas temos, em pleno século XXI, o absurdo de famílias e religiões se opondo a que seja explicado como funciona nosso corpo e que profissionais esclareçam as inúmeras dúvidas que eles têm, inclusive as mais elementares como: se beijar, eu engravido? Em vez de discutir educar corretamente sobre esses temas, nossos políticos preferem o caminho do cinismo e do machismo. Que parem de insistir em criminalizar as mulheres e meninas que se tornam “culpadas” de uma gravidez por terem sido vítimas de estupro sem ter o poder de decidir o que podem fazer. Mulheres, fiquem atentas em quem vocês votam. Haja crueldade!

A SANTA POLÍTICA

Caminhamos ao encontro de mais uma jornada em que um grande número de candidatos irá, novamente, apresentar-se para a disputa por vagas nos tronos dos poderes executivo e legislativo municipais. E mais uma vez a classe dos marqueteiros se agita para conseguir a confiança dos postulantes, com vista a adequar os seus discursos e posturas para chegar o mais perto possível dos recorrentes anseios e necessidades do eleitorado. Difícil acreditar que marketing elege qualquer candidato a isso ou aquilo em nosso Brasil, embora eu reconheça que Fernando Collor tenha sido eleito presidente unicamente em função de uma grande, bilionária e muito bem elaborada estratégia de publicidade; portanto, há controvérsias! Mal feito o marketing pode derrubar as chances de um político eleger-se. Então, penso, as coisas não são tão simples…Quer ser eleito? Então que se busque forças de apoio na região onde vive e seja criado um clima diferenciado e de otimismo para cada circunstância, forjando e planejando discursos para cada comunidade a ser visitada, escolher os pontos mais importantes – os aspectos básicos que interessam de perto o eleitorado e colocá-los em destaque durante caminhadas, encontros, discursos e distribuição de “santinhos”, nunca esquecendo de levar no bolso ao menos dez máscaras diferentes e de forma a usá-las em propícias ocasiões. Repetir sempre as mesmas mensagens ao eleitores, para que as mesmas tornem-se uma redundância (uma importantíssima “lei” de comunicação); quanto mais as mensagens são repetidas, em alto e bom som, mais os eleitores irão memorizá-las e ainda mais se forem impulsionadas por meio de computação gráfica e sons obsediantes, o que termina criando um estado de fadiga mental que subordina a maioria daqueles a quem se destina ( já tivemos gritantes e subseqüentes exemplos dessa tática em nossa cidade às vésperas de eleições, sempre com os mesmos candidatos ). A propósito é sumamente interessante o “Manual dos Inquisidores”, do frade dominicano Nicolau Eymerich e onde ele aponta o truque dos hereges para responder sem confessar. Eis alguns que, reconheçamos, já foram demasiadamente usados por candidatos diversos ao longo dos anos: responder de maneira ambígua a maioria das perguntas, sempre responder acrescentando uma condição, fingir-se surpreso com alguma informação, inverter perguntas, passar-se por vítima, auto justificar-se e dar ares de santidade. Vamos a alguns exemplos de políticos bagre: Maluf, o Paulo, tinha o hábito de responder o que não lhe foi perguntado e nunca falar o que todos queriam ouvir; Janio Quadros, dizia o meu saudoso pai, era um mestre na arte de fazer-se surpreso; “quem não deve, não teme” sempre foi a frase preferida de candidatos acusados de algum prática ilícita. E uma coisa é certa, certíssima, muito certa: candidatos a políticos e políticos re-candidatos não costumam reconhecer os seus pecados, afinal são todos eles inocentes ou vítimas de calúnias oposicionistas; não são e nunca foram orgulhosos; arrogantes e vaidosos, jamais!Diga-se de passagem que em época de eleições é muito difícil algum candidato não se passar por cristão, franciscano, beneditino ou lazarista. Claro, afinal é assim a santa política! O Cardeal Mazarino, que recebeu o cardinalato em função dos seus dotes diplomáticos e dos bons serviços prestados à corte de Luis XIII, escreveu o “Breviário dos Políticos” e onde cita pérolas que, desde então, tem servido a um grande numero de políticos: “ o centro vale mais que os extremos”, “ age com seus amigos como se devessem tornar seus inimigos”, “ a opinião que fazem de ti não é a melhor do que a opinião que fazem de outros”, “desconfie sempre de todos os que o rodeiam”, “simule e dissimule”, “não acredite em ninguém” e “fale bem de todos” . Enfim, acreditem, o mundo da política não é para os fracos!

Gustavo Hoffay
Agente Social
Uberlândia-MG

Anomia e Distopia!

Tania Tavares – Professora – SP – taniatma@hotmail.com

“Alerta: sistema de Justiça em risco”, título do artigo do Advogado Antonio Carlos Mariz de Oliveira (A4-10/06),
precisa ser lido por todos e principalmente pelo sistema de Justiça,governo federal, senadores, deputados e a sociedade em geral. Nosso Poder Judiciário (Ministério Público)tem que ser independente e agir a não os desacreditar perante a opinião pública. Todo o artigo deve ser lido, mas o final é muito preocupante.

CINISMO!

Tania Tavares- Professora – SP – taniatma@hotmail.com

Quando se fala em Educação Sexual para alunos do Ensino Fundamental II das Escolas Públicas temos, em pleno século XXI, o absurdo de famílias e religiões se opondo a que seja explicado como funciona nosso corpo e que profissionais esclareçam as inúmeras dúvidas que eles têm, inclusive as mais elementares como: se beijar, eu engravido? Em vez de discutir educar corretamente sobre esses temas, nossos políticos preferem o caminho do cinismo e do machismo. Que parem de insistir em criminalizar as mulheres e meninas que se tornam “culpadas” de uma gravidez por terem sido vítimas de estupro sem ter o poder de decidir o que podem fazer. Mulheres, fiquem atentas em quem vocês votam. Haja crueldade!

A repetição das tragédias mostra o quão distantes estamos da civilização moderna!

Autor: Rafael Moia Filho – Escritor, Acadêmico da ABLetras, Blogger, Analista Político e Graduado em Gestão Pública.

O problema das catástrofes climáticas é global, mas no Brasil ele não tem a mínima chance de ser revertido a médio e longo prazo. A ignorância, em especial dos gananciosos do agro, latifundiários e fazendeiros em geral, é incompatível com a ciência e com os dados e números já existentes que comprovam o caos iminente.
Além do mais, está no poder legislativo a maior parte dos negacionistas com relação à ciência e as mudanças climáticas no planeta. Eles não possuem argumentos técnicos ou científicos, mas apenas teorias medíocres que não se sustentam nem numa sala do Ensino Fundamental.
Os Estados do MS e MT ainda serão castigados impiedosamente por terem permitido a destruição de área do Pantanal e das matas e áreas de vegetações nativas, rios e seus mananciais.
Além da existência de políticos negacionistas, temos governantes que não conseguem impor uma pauta com punições severas, mudanças de comportamentos e propostas sérias para a mudança de utilização de combustíveis fósseis e adoção de energia limpa de fontes renováveis.
A situação é tão bizarra que até a energia eólica já está sendo criticada em alguns Estados brasileiros por pseudo-ativistas que já contrataram escritórios de advocacia para entrar com processos na justiça contra empresas de energia eólica. Justo essa alternativa que é uma das fontes mais limpas e menos destrutivas que se tem notícia no planeta. Esse ativismo, importante no Brasil, acaba se perdendo com ideologismo sem nexo, busca por poder e acaba se desviando de seu propósito de proteção a natureza e ao meio ambiente.
Ao mesmo tempo, ninguém luta contra o desmatamento para adoção de áreas imensas de pastos. Ninguém luta contra a invasão de terras por fazendeiros grileiros e latifundiários que querem apenas aumentar sem custos as suas áreas de plantio ou pastos.
Por sua vez, os governos municipais e estaduais não olham a natureza nem as consequências dos atos de destruição, pensam única e exclusivamente em duas coisas: 1ª Reeleição e 2ª Impostos.
Em geral, o povo brasileiro pouco se importa com o meio ambiente, poucos reciclam em suas residências ou nas empresas. As queimadas são constantes em matos e terrenos das nossas cidades. Os rios e o mar são usados como despejos de lixo e plásticos, vide Baia de Guanabara, rios que cruzam São Paulo, etc.
As mudanças precisam acontecer a partir da tenra idade, ainda no Ensino Infantil. O planeta está esgotado, falta água em diversos lugares. Para quem pensa que o problema está longe de suas moradias, saibam que no meio do Estado de São Paulo, na região Centro-Oeste a escassez de água é algo que está ao alcance de todos na região. A lagoa formada pelas águas do Rio Batalha está quase seca, por falta de chuvas nos últimos meses.
E por incrível que pareça, não temos governantes procurando por soluções nos munícipios, muito menos no Estado. Prefeitos e governadores em sua maioria ou são negacionistas do clima ou não querem trabalhar com algo que eles supõem não dar votos.
É preciso urgentemente que a sociedade brasileira acorde para algo que pode levar a situações caóticas e desesperadoras em pouco tempo.