Brasil x Reino Unido

Paulo Henrique Coimbra de Oliveira – Economista – RJ

Boris tomou uma dose, que cada um levou, e soltou um pum no jardim foi o bastante para seus adversários, lá não existem inimigos, pedirem sua renúncia. Bolsonaro anda de jet ski, defeca para as vítimas da covid e das enchentes, paga com cartão corporativo, nosso dinheiro, churrascos com carnes importadas para filhos e seguidores fanáticos, esculhamba Deus e o mundo, aí incluídos seus inimigos, sem nenhuma prova ou consistência, e não acontece nada. É fácil prever que o Brasil só será um país decente, se tudo mudar, lá pelo ano 3000. Talvez não realize meu sonho.

SavitagorrerP!*

Tania Tavares – Professora – SP

Lí o artigo de Luiz Vassallo (A6, 17/01), e me arrepia as propostas desta turba. A curiosidade me fez procurar sinônimos da palavra prerrogativa, afinal porque um grupo de advogados, muitos criminalistas, defensores de pessoas que cometeram delitos, inclusive o sr. Lula, escolheram este nome? Há as prerrogativas de ofício, próprio de cargos. Os sinônimos falam por si tais como de vantagens, honrarias, benefícios, direitos, liberdades, distinções, imunidades, privilégios, regalias… É isto que desejam!

* Prerrogativa escrita ao contrário

Simples assim

Paulo Henrique Coimbra de Oliveira – Economista – RJ

Os pleitos do funcionalismo por aumento poderiam se dar com a simples correção da tabela do IR na fonte em 100% , que é a defasagem apurada pela própria receita. Exemplificando, uma pessoa que ganhe 6 mil reais paga hoje paga em torno de 600 reais. Com a correção pagaria apenas 55 reais . Essa diferença significa um incremento de 11 % no seu salário líquido. Valores mais altos teriam percentuais menores , o que significaria uma melhor distribuição de renda. A perda de receita poderia ter uma compensação ampliando as alíquotas até 40 % que ainda estariam mais baixos que países do primeiro mundo. Esta simples providência iria girar a roda da economia gerando mais vendas e consequentemente uma maior arrecadação.

A VERDADE SEMPRE APARECE…

Marília Alves Cunha*

Li numa página da internet um texto escrito por Juan Arias, jornalista do “El PAÍS”, jornal espanhol. Esta página foi escrita há algum tempo e o jornalista hoje deve ter mudado em relação a Lula e, como tantos, perdoado seus pecados mais do que mortais. Primeiro porque apareceu para atrapalhar um presidente conservador e liberal, coisa que os esquerdistas não toleram e segundo porque temos visto, por aí, principalmente jornalistas, pessoas que atacavam o ex-presidente pesadamente e que hoje, oportunamente, tratam de tecer gloriosos elogios ao mesmo. Estão certos de que a memória do povo diluiu-se e a história apagou-se. E mais, porque brasileiros que vivem no exterior ou estão por lá, em alguma ocasião, têm feito uma anti-propaganda do nosso país que beira ao histerismo. Digo isto, porque assisti algumas, cheias de inverdades e de ódio. Muito anti-Brasil as pessoas que se prestam a isto. Abaixo, o texto do inteligente jornalista.

“O SEGREDO DE LULA – à leitura rápida pode até parecer um elogio ao ex-presidente, mas ao contrário, mostra uma personalidade pragmatista, capaz de jogar com várias cartas ao mesmo tempo e fazendo com que todos acreditem que estão ganhando.
Em sua estratégia (de defesa), mais do que apresentar documentos atuais que citam sua inocência, o ex-presidente proclamou-se um “político perseguido”. O que interessa é parecer discriminado por defender os pobres no Brasil. Os pobres poderiam viajar de avião e sair de férias para a Argentina e que os problemas eram os ricos que não queriam compartilhar aeroportos com os pobres em sandálias. Nem era verdade, mas os pobres estavam lisonjeados e os ricos não se ofenderam, porque sabiam que Lula, desde que deixara a presidência, nunca sentou em um vôo comercial ao lado de um homem pobre. Viajou nos aviões privados dos milionários. Nele continua vivo o desejo de poder governar em plena liberdade, sem levar em conta os demais poderes independentes.”

*Educadora e escritora – Uberlândia – MG

Austrália!

Tania Tavares – Professora – SP

Deportar o tenista Novac Djokovic, por não ter tomado vacina e mentir, é a diferença entre um pais e uma Nação, que faz respeitar suas leis, seja lá quem for. Parabéns!