STF, Senado e álcool gel

Percival Puggina*

Muito leitores me escrevem expressando desânimo em suas manifestações. Dizem-se desiludidos, desesperançados. Estão deixando cair os braços. O que fazer? O Brasil melhor, que buscaram nas mobilizações desde 2013 e redundaram na vitória de conservadores e liberais em 2018, enfrenta terríveis resistências. Elas são políticas. Elas são ideológicas. Elas são poderosas. O que fazer?
O desalento dos vitoriosos fornece adrenalina pura à veia dos derrotados! É exatamente o que sempre buscam. Todos os totalitários, em suas experiências históricas, cuidaram de submeter os inconformados e, para tanto, o caminho não sangrento (o sangue corre mais tarde) é o roubo da esperança. É o roubo daquela joia preciosa a que se refere um personagem de Bernard Bro em Contra toda a Esperança.
A primeira grande frustração que sucedeu à vitória eleitoral de 2018 veio com a percepção de que, apesar de toda a faxina, apesar de muito esfregão, palha de aço, lava-jato e desinfetante, o ganho qualitativo com a renovação da representação política nacional no Congresso não foi suficiente para que as más práticas e os piores interesses perdessem vitalidade. O governo não podia contar sequer com metade do partido do presidente. Os outros dois blocos eram formados pelas oposições e pelo centrão. Ou seja, Bolsonaro tinha umas poucas dezenas entre os 594 membros do parlamento. Matéria de GauchaZH de 5 de fevereiro deste ano informa que durante o ano de 2019 o governo enviou 48 Medidas Provisórias ao Congresso e apenas 11 destas se converteram em lei.
Com uma plataforma conservadora e liberal, o governo tinha contra si praticamente toda a extrema imprensa e a totalidade do Supremo Tribunal Federal. Este último trata o governo como potência inimiga e assumiu um protagonismo político percebido como tirano. O STF é totalmente avesso à agenda conservadora e liberal e barra iniciativas caras aos eleitores do presidente, mas não condizentes com o petismo enraizado na maioria de seus membros.
O que fazer, e fazer logo?
De momento, no curto prazo, sem possibilidade de ir às ruas e sob forte repressão à liberdade de opinião, é urgentíssimo fazer andar os pedidos de impeachment de membros do STFentregues à leitura das traças nas gavetas do senador Davi Alcolumbre. Isso está no tabuleiro das iniciativas viáveis. São apenas três senadores por estado! Cada um deles, independentemente do partido a que esteja filiado deve passar a receber irresistível “pressão das bases”. Há que romper o circuito fechado “álcool gel”, onde as mãos se esterilizam reciprocamente nas relações entre o Senado e o STF.
Estou falando de usar toda a forma de contato civilizado possível para mostrar a cada senador, que sua cadeira é muito mais instável do que lhe pode estar parecendo. A renovação de seu mandato, sonho comum a todos, depende de agir tendo em vista o bem do Brasil, a decisão democrática das urnas, o respeito à Constituição, o Estado de direito. A proteção de maus magistrados, de maus colegas e más legendas não faz parte desse conjunto e será muito mal acolhida nas inexoráveis cabines de votação de 2024 e 2028. Nesse sentido, mobilize em seu município associações, sindicatos, meios de comunicação, lideranças políticas e todas as legítimas energias locais para cobrarem posição dos três senadores de seu Estado. Não esmoreça, não há impeachment sem apoio popular.
O êxito dessa campanha, que precisa de todos, abrirá portas para profundas transformações na cena institucional brasileira.
_______________________________
* Percival Puggina (75), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A Tomada do Brasil. Integrante do grupo Pensar+.

FarmingShow: feira virtual movimentará o agronegócio brasileiro

CaSi Comunicação

Algar Farming, em Uberlândia, realiza evento nos dias 19, 20 e 21 de agosto

Mesmo com a pandemia do novo coronavírus paralisando boa parte da indústria e comércio do país, o agronegócio é um dos poucos setores da cadeia de produção que não suspendeu suas atividades. A Algar Farming, por exemplo, segue seu propósito de levar conhecimento para o produtor rural brasileiro e manteve a FarmingShow, evento que acontecerá nos dias 19, 20 e 21 de agosto.

A FarmingShow estava programada para acontecer de forma presencial em abril, mas devido à pandemia foi toda reformulada para levar informações sobre o mercado do agronegócio para quem atua no campo. Agora, a feira acontecerá de maneira virtual, atendendo as medidas de segurança impostas pelos órgãos governamentais e instituições de saúde em relação ao enfrentamento à Covid-19.

Já estão confirmados nomes de peso do mercado, além de grandes empresas do ramo do agro que trarão para a feira os melhores conteúdos, fornecedores, insumos, máquinas e tecnologias.

“Será um evento totalmente diferente, com uma grade que vai trazer oportunidade de negócios, muito conhecimento, vários operadores agrícolas e muito conteúdo rico para que possamos sair com mais conhecimento e mais preparado para a nova safra”, disse o diretor-presidente da Algar Farming, Marlos Ferreira Alves.

Os temas abordados durante a FarmingShow serão pecuária, tecnologia no campo, manejo, gestão de talentos, setores financeiro e jurídico, irrigação, sustentabilidade, mulheres no campo, mercado de soja, produção de hortifruti, entre outros.

Entre os nomes já confirmados estão Celso Morertti, presidente da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), Carlos Pellicer, CEO na UPL, uma das maiores multinacionais de insumo do mundo, e o ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues.

Serão cerca de 30 palestras ao longo dos três dias do evento, que contará com uma sólida estrutura virtual para que todos os expectadores tenham acesso ao conteúdo dos debates e dos painéis, bem como às marcas e produtos que serão divulgados nas inserções comerciais da programação.

“Será uma experiência bastante positiva para todos que estão envolvidos com a FarmingShow, unindo o agronegócio com a tecnologia”, finalizou Marlos.

NOMES CONFIRMADOS ATÉ O MOMENTO

Bruno Merola, diretor da Maqnelson

Carlos Eduardo, CEO Usinas CMAA

Carlos Pellicer, UPL Global COO Strategy, Innovation, Integration

Celso Moretti, presidente da EMBRAPA

Cleiton Custódio, CEO da AgroSB

Edson Trebecshi, CEO Trebeschi Tomates

Fernando Degobi, CEO da Coopercitrus

Gabriel Junqueira, CEO da Usina Aroeira

Prof. Godofredo Cesar Vitti (Esalq)

João Emílio Rocheto, presidente da Bem Brasil e Produtor Rural

Leandro Bovo, diretor da Radar Investimentos

Leonardo Celini, COO Scheffer

Marcelo Prado, CEO M.Prado Consultoria

Margareti Scarpelini, diretora de RH da Caramuru Alimentos

Michael Feibelmann, CEO Cruzeiro do Sul Agrícola

Michel Torteli, Head de Operações FinPec

Renato Guimarães, CEO da Sinagro

Renato Silva, CEO da Valmont do Brasil

Roberto Rodrigues, ex-ministro da Agricultura

Simone Salomão, diretora Juritis TOTVS

Vitor Campanelli, CEO Confinamento Campanelli e Conselho de Adm. Coopercitrus

SOBRE A ALGAR FARMING

A Algar Farming foi criada em 2014. No último mês de julho, a empresa comemorou 6 anos de existência: um capítulo importante de uma história de inovação e tecnologia, que vem sendo escrita desde os anos 70, quando o Grupo Algar iniciou sua trajetória de sucesso no agronegócio.

Desde então, a empresa aumentou o portfólio de culturas. Saiu de uma área plantada de 9.700 hectares para 23 mil hectares na safra 19/20. Criou a CIA (Central de Inteligência Agronômica), investiu em tecnologia e sustentabilidade com a implantação de uma fábrica de defensivos biológicos. Iniciou com o confinamento de gado, que já conta com mais de 8 mil cabeças. Na ABC Norte, em seus quase 145 mil hectares, cuida da floresta e desenvolve novos negócios como a movelaria Pacajá.

Em 2020, a Algar Farming deu mais um grande passo rumo ao futuro, criando a FarmingShow. Além disso, ampliou o número de pivôs de irrigação, que inicialmente eram 6 e hoje conta com 45 pivôs, totalizando uma área de 4.500 hectares irrigados.

Tudo isso sem esquecer das pessoas, acreditando que produzir é uma forma de servir e por isso apoia causas sociais e investe no desenvolvimento interpessoal, oferecendo oportunidades de crescimento para o todo o time. A empresa constantemente está investindo para o surgimento de novas ideias, com responsabilidade e amor pelas pessoas, enfrentando desafios e superando crises ao lado de parceiros e colaboradores comprometidos com o sucesso de todos.

Prefeitura intensifica busca por estudantes municipais

Nesta etapa, profissionais das escolas estão indo às casas dos alunos

Foto: Araípedes Luz – Secretaria de Governo e Comunicação / PMU

A Prefeitura de Uberlândia iniciou nesta semana uma nova etapa da busca ativa por estudantes que não estão utilizando o conteúdo pedagógico do “Escola em Casa”, fornecido pela Secretaria Municipal de Educação (SME) durante a suspensão das aulas, causada pela pandemia do novo coronavírus. Nesta fase, profissionais das 53 escolas municipais de ensino fundamental vão até as residências dos alunos para entender os motivos pelos quais eles não estão utilizando os recursos disponíveis para a continuidade do processo educacional temporariamente remoto.

Preocupados em fornecer um processo de ensino e de aprendizagem com qualidade e igualitário, as equipes técnicas da SME e das escolas elaboraram uma carta e um folder com explicações sobre as apostilas, as quais são impressas e entregues semanalmente nas escolas. O material também explica sobre as videoaulas exibidas pela TV Universitária e disponibilizadas no portal da Prefeitura (www.uberlandia.mg.gov.br) e como acessá-las, seja por meio da TV ou internet. Existem ainda esclarecimentos que as atividades compõem a carga horária mínima exigida de 800 horas para o cumprimento do ano letivo/calendário escolar.

“Percebemos que cerca de 12% de 42 mil estudantes do nosso ensino fundamental, ou seja, mais de cinco mil, não estão usufruindo do material”, disse a secretária de Educação, Tania Toledo. Segundo ela, neste momento, a maior preocupação é com o ensino fundamental, onde o processo de aprendizagem é mais complexo.

Cada aluno é um caso específico

Na Escola Municipal Professora Josiany França, no bairro Jardim Canaã, a ida às residências começou na manhã desta quinta-feira (13). A unidade atende 925 alunos no ensino fundamental e constatou que 61 não estavam buscando o material impresso. Após ligações telefônicas, a equipe da escola conseguiu identificar a situação de 30 estudantes, como mudança de endereço, falta de acesso à internet e contaminação na família pelo novo coronavírus. “Agora vamos em busca dos 31 que não conseguimos entrar em contato. Queremos que todos tenham acesso a este material”, disse a diretora da unidade, Ana Maria de Freitas.

O resultado foi satisfatório logo na primeira residência visitada. Por causa de troca de número do telefone que não foi sido comunicada à escola, a família do estudante Rikelmy Inácio Santos da Silva, do 5º ano, não tomou conhecimento do material alternativo. “Fiquei muito feliz e agradecido com a visita da equipe e hoje mesmo o Rikelmy vai até a escola pegar o material e começar a estudar”, garantiu o pai do estudante, o motorista Denner Fernando dos Santos.

Iniciativas são elogiadas

O esforço dos profissionais da SME em manter o vínculo dos estudantes da rede com as escolas tem sido reconhecido e elogiado por muitas pessoas. Ao retirar as apostilas na escola Josiany França, a estudante Giovanna Beatriz, do 7º ano, disse que a iniciativa é muito importante e que nunca deixou de fazer as atividades. “Eu prefeito frequentar a escola com meus colegas, mas entendo que isto não é possível e estou levando a sério o novo formato de educação”, confirmou.

Na mesma escola, a dona de casa Vanderléia Maria da Cruz Rocha contou que elaborou uma rotina de estudos para o seu filho Guilherme Henrique, estudante do 4º ano. “Ele tem nove anos de idade e pensa que o afastamento da escola é igual férias. Se eu deixar, ele vai ficar o tempo todo brincando, assistindo TV ou mexendo na internet e não vai estudar. Só que eu não deixo, cobro que faça tudo direito”, disse.

“Escola em Casa”

O programa “Escola em Casa” teve início no mês de abril como um portal on-line, onde os estudantes da Rede Municipal de Ensino têm acesso gratuito a materiais didáticos diversos durante o período de suspensão temporária das aulas presenciais, uma das medidas adotadas pela administração municipal dentro da política de enfrentamento à pandemia causada pelo novo coronavírus. O mais recente levantamento feito nesta quarta-feira (12) apontou que já foram feitos mais de 975 mil acessos ao recurso. Posteriormente, desde o dia 1º de junho, o programa foi expandido para TV aberta, com exibição diária de videoaulas gratuitas.

Por meio do programa, conteúdos são disponibilizados semanalmente, com o objetivo de garantir que os estudantes mantenham uma rotina educacional. No menu da plataforma, o usuário tem acesso a itens que destacam informações sobre o recurso, acesso ao material didático, sala de leitura e jogos interativos. Os materiais podem ser impressos e estão divididos por ano escolar.

Para quem não tem condições de imprimir o material ou não possui acesso à internet, as escolas fornecem as apostilas. As escolas ficam disponíveis a pais e estudantes, servindo como mediadoras entre professores e alunos e estão abertas para retirada do material nos seguintes dias e horários:
– Ensino Fundamental: terças, quartas e quintas-feiras – manhã e tarde.
– Ensino Infantil: quartas-feiras – manhã e tarde.

Horários de exibição do Escola em Casa em TV aberta (canal aberto 4.1 e 8 na Algar IPTV):
– Segunda a sexta-feira, das 9h às 11h (Educação Infantil e Ensino Fundamental)
– Segunda e quarta-feira, das 19h30 às 20h30: Educação de Jovens e Adultos e Programa Municipal de Alfabetização de Jovens e Adultos
– Sábado, às 14h30: Conteúdo especial para alunos do Atendimento Educacional Especializado

Prefeito Odelmo Leão inaugura nova oficina para Cursos Profissionalizantes

Estrutura foi construída no bairro Lagoinha e ampliará as vagas nas modalidades automotivas

Foto: Cleiton Borges – Secretaria Municipal de Governo e Comunicação

Desde 2017, a Prefeitura de Uberlândia já modificou positivamente a vida de aproximadamente 13 mil participantes dos Cursos Profissionalizantes. Dentre as modalidades ofertadas, algumas das mais procuradas são àquelas relacionadas à mecânica veicular. Para beneficiar ainda mais pessoas, a Prefeitura de Uberlândia inaugurou, nesta quinta-feira (13), uma nova oficina no Centro Profissionalizante do bairro Lagoinha, ampliando as vagas nesse tipo de capacitação.

Com essa conquista, a população poderá contar com os cursos de Mecânica de Auto Center, Eletricidade Veicular, Injeção Eletrônica e Regulagem de Motores Ciclo Otto em mais uma unidade. Por demandar grande estrutura, esses módulos eram ministrados exclusivamente no Centro Profissionalizante do Bairro Planalto. Os cursos qualificam e requalificam profissionais com conhecimento especifico e técnico, acompanhando as tendências do mercado automotivo, com carga horária de 100 a 240 horas.

Responsabilidade social

Foto: Cleiton Borges – Secretaria Municipal de Governo e Comunicação
O prefeito Odelmo Leão relembrou a importância de ter intensificado as capacitações desde 2017. “Nesses últimos anos, tenho mostrado que a parte social é um dos nossos principais focos. Com isso, oferecemos condições para que nosso povo se qualifique com qualidade e consiga emprego e renda, levando sustento a milhares de famílias”, destacou.

A construção da oficina foi viabilizada mediante mão de obra própria da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, Trabalho e Habitação (Sedesth). Neste segundo semestre, a estrutura, a exemplo de todas as modalidades de cursos presenciais, ofertará apenas metade das vagas normais em cada turma. Com isso, a previsão é que, para o segundo semestre desse ano, o novo equipamento atenda a 120 pessoas. Desde 2017, foram entregues 2.952 certificações no segmento automotivo.

Inscrições abertas

Foto: Cleiton Borges – Secretaria Municipal de Governo e Comunicação
As inscrições para vários cursos profissionalizantes já estão abertas. No caso da Mecânica no Lagoinha, os encontros acontecerão de 18 de agosto a 17 de setembro, de segunda a sexta-feira, das 13h30 às 17h30. O equipamento fica na rua São Francisco de Assis, 1070, bairro Lagoinha – Telefone: 3226-6389

Para se inscrever, é preciso ter idade mínima de 16 anos. A renda familiar também precisa ser de até três salários mínimos. Para se inscrever, basta ir até ao Centro Profissionalizante de endereço e apresentar documento de identidade com foto e CPF originais, bem como comprovantes de endereço e de renda familiar.

As diretrizes obedecem às normativas da onda amarela do programa estadual Minas Consciente, que permite a realização de atividades profissionais, científicas e técnicas.

Hospitais do Estado abrem contratação para médicos

Crédito (foto): Alexandra Marques

A Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig) abre, nesta quinta-feira (13/8), inscrições para chamamentos emergenciais dos hospitais Eduardo de Menezes (Belo Horizonte) e Antônio Dias (Patos de Minas, no Alto Paranaíba). As vagas temporárias são para médicos que irão compor equipes na linha de frente da covid-19.
No Hospital Eduardo de Menezes são oferecidas duas vagas para médicos especialistas (para atuarem na Terapia Intensiva) e outras duas para médicos generalistas. Os vencimentos básicos são de R$ 4.595,00 para 12 horas semanais, e de R$ 9 mil para 24 horas semanais. As inscrições terminam na sexta-feira (14/8). O edital disponível aqui .
O Hospital Regional Antônio Dias oferece três vagas para médicos especialistas e três vagas para médicos generalistas. Os vencimentos básicos para médicos especialistas são de R$ 4.595,00 (também para 12 horas semanais) e de R$ 9 mil (para 24 horas semanais). No caso dos médicos generalistas, os vencimentos são de R$ 3.500,00 (12 horas semanais) e R$ 7 mil (24 horas). As inscrições terminam no dia 18/8 e as informações estão disponíveis neste link .