Primeira etapa da imunização contra a febre aftosa em Minas termina na terça-feira (31/5)

Gov. MG/Imprensa

Prazo para declaração vai até 10/6/2022; produtor que não vacinar os animais estará sujeito a multa
Termina na terça-feira (31/5) a primeira etapa anual de vacinação contra a febre aftosa em Minas Gerais. São imunizados bovinos e bubalinos de zero a 24 meses. O Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), vinculado à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), é o responsável pela fiscalização da campanha junto aos pecuaristas. Nesta etapa, a expectativa é que sejam imunizados 10 milhões de animais em todo o estado para preservar a sanidade dos rebanhos e manter o compromisso com o agronegócio mineiro.

O produtor pode comprovar a vacinação dos animais usando o formato eletrônico de declaração que está disponível no site do IMA ou, caso tenha cadastro, acessando o Portal de Serviços do Produtor. Uma outra opção é o envio da declaração para o e-mail da unidade do IMA responsável pela jurisdição do município. O documento também pode ser entregue presencialmente.

O prazo para comprovar a vacinação vai até 10/6/2022. Para facilitar a localização da propriedade, recomenda-se o envio do Cadastramento Ambiental Rural (CAR) na realização desse procedimento.

O IMA solicita ao produtor que, além de comprovar a vacinação contra a febre aftosa, declare a imunização de seus animais contra a raiva. A atualização cadastral do rebanho também é recomendada. Saiba mais aqui.

Ações pontuais e estratégicas

O Governo de Minas, por meio da Seapa e sua vinculada IMA, realiza ações pontuais para divulgar a campanha em todo o estado. Dentre os destaques dos materiais, spots publicitários para rádios e carro de som veiculado em cidades do interior, além de vídeos educativos nas redes sociais, cujos conteúdos informam prazos, esclarecimentos e instruções sobre a vacinação.

Devido ao planejamento para melhorar o status sanitário de Minas Gerais, estratégias técnicas para o fortalecimento do sistema de vigilância são adotadas. O objetivo é promover ações de detecção precoce e de resposta rápida a emergências sanitárias.

Há cinco componentes de vigilância para a febre aftosa: as realizadas a partir de notificações de suspeitas; em propriedades rurais; em eventos agropecuários; em estabelecimentos de abate; e as para estudos soroepidemiológicos. Esses diferentes componentes do sistema de vigilância produzem regularmente informações que ajudam a tomar decisões com base em uma avaliação de risco precisa, oportuna e objetiva.

O coordenador estadual do Programa de Vigilância para a Febre Aftosa, o médico veterinário do IMA Natanael Lamas Dias, reforça a necessidade da vacinação neste ano para manter a saúde do rebanho e o reconhecimento internacional de zona livre com vacinação, obtido pelo estado junto à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

“Este status favorece o agronegócio e o acesso a mercados internacionais, contribuindo de forma significativa para o Produto Interno Bruto (PIB) mineiro”, lembra Dias alertando sobre a importância da vacinação correta para garantir a eficácia na imunização dos animais. “A vacina deve ser adquirida em estabelecimento da iniciativa privada credenciado para a revenda. Lembrando que a dose da vacina é de 2 ml. Além disso, a vacina deve ser conservada em temperatura entre 2 e 8 graus centígrados, do momento da compra até a vacinação dos animais. Recomenda-se também programar a aplicação para os horários mais frescos do dia”.

A doença

A febre aftosa é causada por um vírus altamente contagioso e que pode trazer prejuízos econômicos para os produtores, pois afeta o comércio internacional. A doença é transmitida pela saliva, aftas, leite, sêmen, urina e fezes dos animais doentes, e também pela água, ar, objetos e ambientes contaminados. Uma vez doente, o animal pode apresentar febre, aftas na boca, lesões nas tetas e entre as unhas.

Evite multas

O produtor que não vacinar os animais estará sujeito a multa de 25 Unidades Fiscais do Estado de Minas Gerais (Ufemgs) por animal, o equivalente a R$ 119,25 por cabeça. A declaração de vacinação também é obrigatória e o produtor que não o fizer até 10/6 poderá receber multa de 5 Ufemgs, o equivalente a R$ 23,85 por cabeça.

Minas Gerais rumo à zona livre de febre aftosa sem vacinação

O compromisso dos pecuaristas nas campanhas de vacinação contra a febre aftosa, aliado às ações em defesa sanitária animal, têm garantido índices de vacinação dos bovinos e bubalinos superiores a 95% nos últimos anos. Em 2021, Minas Gerais alcançou índice de 97,5% de cobertura vacinal de bovinos e bubalinos.

Em abril deste ano, em um evento ocorrido na cidade de Uberaba, no Triângulo Mineiro, polo da pecuária bovina do estado, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) anunciou a retirada da vacinação contra a febre aftosa a partir de 2023 para Minas Gerais e outros seis estados que fazem parte do Bloco IV do Plano Nacional de Vigilância para a Febre Aftosa e cumpriram os requisitos do plano estratégico para a suspensão da imunização.

Além de Minas Gerais, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Tocantins irão retirar a vacinação em 2023.

O último registro da doença no estado foi em 1996, e sua erradicação ocorreu em 2001 pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Desde então, Minas é reconhecida pelo órgão internacional como zona livre de febre aftosa com obrigatoriedade de imunização.

O plano estratégico nacional tem como objetivo principal criar e manter condições sustentáveis para garantir o status de país livre da febre aftosa, ampliando zonas livres da doença sem vacinação e protegendo o patrimônio pecuário nacional. Está alinhado com o Código Sanitário para os Animais Terrestres, da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), e com as diretrizes do Programa Hemisférico de Erradicação da Febre Aftosa (PHEFA), convergindo com os esforços para a erradicação da doença na América do Sul.

Comercialização das vacinas

Em março deste ano, o Mapa anunciou nova estratégia de vacinação contra a febre aftosa em 2022. Minas Gerais e outros estados se adequam à exigência de inversão das idades dos animais para garantir oferta do imunizante nos meses de maio e novembro. Na primeira etapa, em maio, a vacinação é para bovinos e bubalinos de zero a 24 meses. Já na segunda, confirmada para novembro, serão imunizados animais de todas as idades.

A comercialização das vacinas contra a febre aftosa é realizada pelos estabelecimentos autorizados da iniciativa privada. Nesta primeira etapa, Minas Gerais possui um rebanho de 10 milhões de animais a serem imunizados e há quantidade de vacina suficiente no estado.

O Sistema Faemg (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais), os Sindicatos Rurais e a Emater-MG, em parceria com o IMA, orientam os produtores para que não deixem de imunizar seus animais adquirindo a vacina em diversos pontos de venda disponíveis em Minas Gerais. Caso tenha dificuldades em adquirir a vacina em sua região, o produtor deve recorrer a municípios próximos e, para esclarecer quaisquer dúvidas, os escritórios do IMA estão à disposição. Clique aqui para ver os endereços.

Governador destaca atração de investimentos e geração de empregos nas comemorações do Dia da Indústria

Crédito (fotos): Gil Leonardi / Imprensa MG

Solenidade também marcou a reabertura oficial do Minascentro, tradicional espaço de eventos de BH
O governador Romeu Zema participou, nesta quinta-feira (26/5), no Minascentro, em Belo Horizonte, das comemorações do Dia da Indústria 2022, cerimônia que reconhece os empresários que colaboram para o desenvolvimento de Minas Gerais e do Brasil.

Após dois anos, o evento, organizado pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), está de volta e homenageou os empresários que se destacaram em 2020, 2021 e 2022 com a entrega das honrarias: Industrial do Ano, Mérito Industrial, Comenda Ordem do Mérito da CNI e Construtor do Progresso.

Durante pronunciamento, Zema destacou a atração de investimentos e a geração de empregos nos últimos anos. “Em Minas, uma das marcas da nossa gestão é justamente a atração de investimentos. Trabalhamos para criar um ambiente de negócios atrativo e desburocratizado”, afirmou.

Emprego

De acordo com o governador, a meta inicial de atração de negócios foi ultrapassada em 51%. “São R$ 226,5 bilhões desde 2019, quando assumi o comando do Governo do Estado, entre novas empresas e ampliação de investimentos já existentes, o que representa 116 mil empregos gerados em todas as regiões”, comemorou.

O chefe do Executivo estadual reiterou que tal avanço contribui para que a meta de gerar um emprego de qualidade para cada mineiro seja cumprida. “Estamos próximos de atingir meio milhão de novos postos de trabalho no estado desde 2019, citando aqui dados do Caged, o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados”, disse.

Postura

Já o presidente da Fiemg, Flávio Roscoe, elogiou a postura do Governo de Minas no enfrentamento dos inúmeros desafios dos últimos anos, sobretudo a pandemia de covid-19.

“Enquanto apoiávamos com diversas iniciativas para a preservação da vida de nossos mineiros, atuamos em conjunto com o Governo de Minas para que a indústria fosse considerada atividade essencial. Esse movimento permitiu que a população não fosse desabastecida com produtos básicos, essenciais para a continuidade da vida”, disse.

O dirigente industrial também citou o importante processo de desburocratização da legislação mineira. “Não poderia também deixar de citar todo o nosso empenho e trabalho para desburocratizar cada vez mais o nosso estado de Minas Gerais”, afirmou. “Encontramos nestes quatro anos um ambiente favorável, um governo que favorece o diálogo, que atua de forma técnica e ética. Um governo que entende que é preciso reduzir o seu tamanho, ser mais ágil e atrativo para empreendedores, investidores. E isso, governador Romeu Zema, se traduziu em uma atração recorde de investimentos para o nosso estado”, concluiu.

Solidez

De acordo com a Fundação João Pinheiro (FJP), o Produto Interno Bruto (PIB) da indústria mineira, no ano passado, foi de R$ 240 bilhões, respondendo por 30% do PIB mineiro.

A extração mineral foi a atividade que apresentou a maior expansão no acumulado do ano (15%), seguida da construção civil, que registrou crescimento de 12%. Conforme o Ministério da Economia, o setor empregou 1,1 milhão de trabalhadores no estado, em 2020, representando 24% dos empregos formais.

As principais atividades industriais em Minas são: construção, extração de minerais metálicos, metalurgia e alimentos, representando 69% da produção industrial mineira.

Ainda segundo dados do Ministério da Economia, a indústria é o setor responsável pela maior parcela das exportações de Minas Gerais, respondendo por 80% dos embarques. Em 2021, o segmento exportou US$ 31,5 bilhões, principalmente para a China, Estados Unidos, Europa e Argentina.

Minascentro

A solenidade também marcou a reabertura oficial do Minascentro, tradicional espaço de eventos da capital mineira. O edifício foi erguido em 1926. Em 2016, a Codemge assumiu a gestão.

O Centro de Convenções foi fechado em 2018, temporariamente, para obras estruturais e de modernização do prédio. Foram investidos R$ 30 milhões pelo Estado.

Entre as melhorias promovidas no local estão: substituição das instalações elétricas e instalação de sistema LED; recuperação de banheiros e rede hidráulicas; acessibilidade; sistema de segurança; climatização; recuperação do mobiliário; carpetes; fachadas; e pintura.

Concessão

Após a reforma, em 2019, o Governo de Minas, realizou a concessão do Minascentro para a iniciativa privada. O pregão teve como vencedor o Consórcio Chevals/Perfil. O contrato prevê receitas para a Codemge de R$ 61 milhões.

A concessão também representa uma economia para os cofres públicos de R$ 1,5 milhão por ano. O período da concessão é de 15 anos, renovável por igual tempo.

Posse

Ainda durante a cerimônia, foi realizada a posse da diretoria eleita da Fiemg para o triênio 2022-2025. O atual presidente, Flávio Roscoe, foi reconduzido ao cargo para mais um mandato.

A eleição, que teve chapa única, foi realizada no fim do ano passado. Dos 134 sindicatos empresariais filiados à Fiemg, 122 votaram. A diretoria eleita contou com 119 votos. Foram dois votos branco e um nulo.

Flávio Roscoe é sócio-diretor do grupo Colortextil, um dos principais fornecedores de malhas do país, com mais de 30 anos de mercado. Entre os cargos que já ocupou estão o de diretor da federação, presidente do Conselho Fiemg Jovem e da Câmara da Indústria do Vestuário e Acessórios, ligada à entidade.

Ele também foi membro do Conselho de Indução ao Desenvolvimento do Estado de Minas Gerais (Coind) e do Conselho de Administração da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit).

Além de empresários de diversos setores, secretários de Estado e chefes das Forças de Segurança, o Dia da Indústria 2022 contou com as presenças do presidente da República, Jair Bolsonaro; do presidente da câmara, deputado Artur Lira; do presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Humberto Martins e o presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, desembargador Gilson Soares Lemes, entre outros convidados.

Agraciados

Os empresários homenageados com as honrarias Industrial do Ano, Mérito Industrial, Comenda Ordem do Mérito da CNI e Construtor do Progresso foram:

Jefferson de Paula, presidente da ArcelorMittal – Ordem do Mérito da CNI 2020
Wilfred Theodoor Bruijn, CEO da Anglo American – Ordem do Mérito da CNI 2021
Fernando Caram Patrus, CEO da Liasa – Ordem do Mérito da CNI 2021
Marco Antônio Tonussi, diretor de Marketing da Tacom – Industrial do ano 2020
Sergio Leite, presidente da Usiminas – Industrial do ano 2021
Robert Carlos Lyra, presidente da Delta Sucroenergia – Industrial do ano 2022
Germano Vieira, ex-secretário de Estado de Meio Ambiente – Construtor do Progresso (Meio Ambiente)
Marco Branquinho Junior, Cia de Fiação e Tecidos Cedro Cachoeira – Construtor do Progresso (Pioneirismo industrial)

Fernanda Vital lança vinil do álbum ‘Mímesis’ com show de estreia em Uberlândia

O disco nasceu em 2019 nas plataformas de streaming; show especial para celebrar o LP chegará em junho na Casa Verde Estúdio, em evento aberto ao público.

Carolina Portilho

Presente nas plataformas de streaming, o primeiro álbum solo da cantora e compositora Fernanda Vital vai ganhar versão em vinil. A turnê de lançamento do LP “Mímesis” estreia no dia 2 de junho, às 19h, na Casa Verde Estúdio, em Uberlândia (MG).
Com este trabalho, a artista se prepara para encerrar um ciclo iniciado em 2019 que se destaca por primorosa parceria com nomes de peso da música nacional.
“Mímesis é uma catarse, porque nele eu pude trazer o que há de mais orgânico no meu processo criativo, seja nas melodias ou nas letras. É uma junção de muitas coisas de tempos diferentes da minha vida, mas que juntas conseguiram compor um elemento único, uma história. E uma galera veio comigo neste projeto, tanto na produção do álbum quanto nas etapas seguintes, já durante a pandemia, quando continuamos trabalhando, na produção de clipes, de lives e de outros singles”, conta Fernanda.
TRABALHO AUTORAL
Natural de Ribeirão Preto (SP), Fernanda Vital, 35, está há 12 anos na cena musical brasileira. Ainda no interior de São Paulo, tornou-se vocalista da banda Varal de Renda, com a qual lançou seu primeiro trabalho autoral e pode rodar por palcos diversos, dentre eles unidades do SESC-SP, SESI-SP, Feiras Literárias, Virada Cultural Paulista, festivais nacionais, entre outros.
Como percussionista iniciou seus estudos no grupo Maracatu Pedra de Raio, de São José do Rio Preto (SP), aprofundando os estudos posteriormente através de aulas com professores diversos e também estudos autodidatas, mais direcionados à cultura popular.
Foi o trabalho como professora de biologia que a trouxe para Uberlândia, onde se estabeleceu há seis anos e decidiu iniciar carreira solo. Nesta nova fase, passou a investir na mistura de sonoridades brasileiras, sua maior referência, com beats eletrônicos e ideias mais experimentais.
Manoel de Barros, Patativa do Assaré, Gal Costa e Björk são alguns dos nomes que aparecem entre as referências dessa paulista radicada em Minas Gerais e defensora da agroecologia.
O resultado está nas letras marcadas pela presença da complexidade que permeia o universo feminino e da diversidade intra e entre seres, com forte conexão com elementos da natureza.
Inclusive, a palavra “mímesis”, que dá nome à faixa-título do álbum, remete ao conceito de uma nova visão através do olhar sobre as coisas, sobre a natureza, no qual tudo se mistura, em uma linha tênue entre o eu e o outro, o dentro e o fora. Um desafio que Fernanda Vital aceitou enfrentar.
Nesse processo, diversos nomes estiveram ao seu lado. A produção musical do disco é do baterista e produtor Bruno Buarque (Barbatuques, Céu, Criolo) sendo este todo produzido no Estúdio Minduca, de Bruno, em São Paulo.
O álbum ainda conta com Zé Ruivo (Céu) e o baixista Fábio Sá (Gal Costa, Jards Macalé, Ceumar). Houve também participações do Mestre Tião Carvalho, Daniel Gralha (Bixiga 70), Moita Mattos (Porcas Borboletas), Ricardo Herz e Gustavo Dias.
Acompanhando Fernanda nos shows autorais (SIM-SP, Festival Timbre, Festival Arte na Praça, Festival Cena Cerrado, etc) estão os músicos Lukas Simon, Gustavo Dias, Pedro Vianna e agora, mais recentemente, Lucas Paiva. Fernanda também se apresenta com o trio de forró uberlandense Forró de Amaralina, acompanhada de Jack Will e Daniel Sobreira.
LANÇAMENTOS

Para o LP de Mímesis, Fernanda destaca sete faixas inéditas de sua autoria e mais duas releituras. Uma é a faixa bônus “Pra Quem Tá Quente”, lançado como single em 2020, dos artistas pernambucanos Otto e Pupillo.
A outra é Maranhão, música da cultura popular com participação do renomado compositor, cantor e mestre de Boi do Maranhão, Tião Carvalho, sendo talvez este o ponto mais alto da carreira da cantora.
Quem for à Casa Verde Estúdio, no dia 2 de junho, poderá não só conferir as versões ao vivo do álbum, como também adquirir o vinil de “Mímesis”. A entrada será franca, com oportunidade para contribuições voluntárias.
Quem compõe a banda com Fernanda neste show é o guitarrista Lukas Simons, o contrabaixista Pedro Viana, Gustavo Dias no violino e Lucas Paiva na bateria. Além da banda estão confirmadas as participações especiais de Lucas Oliveira, no Baixo Acústico, de Marina Maschio, no violão e voz, e de Bruna Brunu nos vocais.
Também em junho, Fernanda lança uma remix da música Love and Caos, lançada no ano passado em parceria com a banda Deep Leaks. Quem assina produção da faixa é Malka Julieta (Starfish 100, Omega Mary, We Say Go, MC Tha), multiartista e idealizadora do primeiro selo musical brasileiro voltado a artistas trans, e residente da festa de rua Mamba Negra, ícone da resistência LGBTQIA+ em São Paulo.
SERVIÇO
O quê: Show de Lançamento do vinil Mímesis, de Fernanda Vital
Quando: 2 de junho
Horário: 19h
Onde: Casa Verde Estúdio, rua Johen Carneiro nº 6, bairro Tabajaras
Entrada: Contribuição Voluntária
Para mais informações, acompanhe a Fernanda Vital no YouTube e no Instagram

Governo de Minas paga próxima remessa do passivo de férias-prêmio nesta sexta-feira

Gov. MG/Imprensa

Mais de 1 mil servidores serão contemplados, totalizando cerca de R$ 32 milhões em pagamentos
O Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag-MG), irá pagar, nesta sexta-feira (27/5), mais uma remessa do passivo de férias-prêmio convertidas em espécie. Desta vez, 1.011 servidores serão contemplados com o benefício, totalizando cerca de R$ 32 milhões em pagamentos.
Desde que o passivo das férias-prêmio começou a ser pago, em setembro de 2021, cerca de 21,5 mil servidores já foram contemplados, totalizando R$ 466 milhões.
A ordem dos pagamentos permanece seguindo a data de vigência da aposentadoria. A lista dos nomes contemplados no pagamento não é divulgada para garantir a segurança dos servidores, mas o contracheque dos beneficiados pode ser consultado no Portal do Servidor.
Férias-prêmio
O passivo de férias-prêmio convertidas em espécie que está sendo quitado se refere a direitos adquiridos até 2004, que tiveram o pagamento paralisado pelo governo passado em 2015. A atual gestão, em um esforço para equilibrar as contas estaduais e regularizar as dívidas herdadas, retomou os pagamentos em 2019 para parte dos servidores que tiveram a aposentadoria publicada ao longo dos anos de 2013 e 2014.
O valor total do passivo apurado em julho de 2021 é de R$ 701 milhões e inclui cerca de 25 mil servidores. O pagamento teve início no dia 27/9 e será realizado em escalas mensais até dezembro de 2022. Os servidores recebem o benefício integralmente em parcela única, seguindo a ordem cronológica de vigência das aposentadorias.
Os servidores aposentados por invalidez ou isentos da tributação do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) em decorrência de doença grave, nos termos do inciso XVI, art. 6º, da Lei federal 7.713, de 22/12/1998, estão recebendo as férias-prêmio normalmente.

Minas não registra mortes por covid em 813 municípios na última semana

Gov. MG- Imprensa

Apesar da vacina ser a principal arma contra a doença, apenas 260 cidades registram mais de 70% de cobertura da dose de reforço
Minas Gerais não registrou mortes por covid em 813 municípios mineiros nos últimos sete dias, o equivalente a 95 % das cidades do estado. Já considerando os últimos 15 dias, 785 municípios não tiveram óbitos pela doença. Os dados foram apresentados pelo secretário de Estado de Saúde de Minas Gerais, o médico Fábio Baccheretti, na manhã desta quinta-feira (26/5), durante reunião mensal do Comitê Extraordinário Covid-19.
No entanto, a incidência da doença tem crescido em algumas regiões do estado. Na média, a taxa cresceu 36% na última semana e 217% nos últimos 14 dias.
“Observamos o aumento no número de casos de covid, principalmente nas regiões Sul e Triângulo do Sul. No entanto, não percebemos aumento no número de óbitos ou internações. Por isso é tão importante a vacinação. Peço mais uma vez que todos completem o esquema vacinal e levem os filhos para tomar as doses”, ressaltou o secretário.
Baccheretti afirmou ainda que, assim como a gripe, a covid-19 também vai ser mais comum na época de frio e tempo seco. “Mas não se trata de uma cepa nova e nem de uma suposta quarta onda da doença”, pontuou.
Cobertura vacinal
Baccheretti destaca que a cobertura vacinal é a principal arma contra a covid-19. “De modo geral, o estado tem 82% de cobertura da primeira dose entre maiores de 18 anos e 70% entre as crianças de cinco a 11 anos. Mas doses de reforço em adultos têm sido negligenciadas em muitas regiões. Apenas 260 municípios registram mais de 70% de cobertura da dose de reforço. No caso da segunda dose infantil, em média 50% dos pais estão desconsiderando a aplicação”, detalhou.
Outro ponto apresentado na reunião diz respeito à heterogeneidade do estado, que registra resistência à vacina principalmente em regiões mais distantes dos grandes centros.
“Nesse sentido, estamos em trabalho de mobilização. É muito importante insistir na cobertura vacinal completa”, frisou.
Máscaras
Baccheretti ressaltou ainda que o uso ou a dispensa de máscaras é prerrogativa de cada município. Mas disse que recomenda o uso de acordo com a escolha pessoal de cada um e do bom senso. “Minhas filhas, de quase 5 anos, vão para a escola de máscara”, disse.
O secretário finalizou a reunião com informação de que a disponibilidade de uma quarta dose para maiores de 18 anos vem sendo avaliada por estados e governo federal.