Autor: Rafael Moia Filho*

Uma crença não é apenas uma
ideia que a mente possui,
é uma ideia que possui a mente.
Robert Oxton Bolt

O Estado de São Paulo, antes conhecido como a locomotiva do desenvolvimento do país, hoje mais parece um vagão enferrujado abandonado num pátio de ferrovia antiga. São Paulo deixou de ser protagonista para viver a reboque de um país envolvido em questões político partidárias que não geram empregos, não elevam o patamar de desenvolvimento econômico nem trazem avanços tecnológicos tão necessários ao Estado mais industrializado do Brasil.
Nos últimos vinte e cinco anos a gestão do Estado está nas mãos do mesmo partido político – PSDB, este que privatizou dezenas de estatais como VASP, Comgás, CESP, CTEEP, CPFL, Eletropaulo, Nossa Caixa Nosso Banco, além de federalizar Ceagesp, Fepasa e Banespa. As estradas construídas por governos anteriores foram repassadas para a iniciativa privada através de concessões públicas com pedágios com preços obscenos para os usuários.
Foram arrecadados mais de 80 bilhões que nunca foram usados para algo que não fosse pagar dívidas segundo os dirigentes do partido. Entretanto, o que não se questiona é o fato de que o Estado teve o alívio financeiro por não arcar mais com Folhas de Pagamentos, Investimentos e outras despesas decorrentes da administração direta e indireta dessas empresas ou estradas.
Mesmo assim, hoje o Estado tem educação de péssima qualidade, saúde pública que registra milhares de casos de Dengue, Sarampo e outras doenças antes erradicadas, ausência de remédios e vacinas nas prateleiras dos hospitais estaduais e postos de saúde, falta crônica de leitos hospitalares e de UTI, ou seja, faltam Hospitais em várias regiões do Estado.
Os policiais militares e civis não recebem reajuste salarial anual como as demais categorias profissionais, chegando a ficar quatro ou cinco anos com salários defasados pela inflação. São 17 mil policiais civis que faltam no efetivo do Estado, enquanto 15 mil policiais militares precisariam ser contratados para fazer frente a demanda crescente da insegurança pública. O desmonte atingiu vários setores, as mentiras publicitárias em épocas de campanhas eleitorais conseguiram enganar milhares de eleitores que se deixam levar por promessas jamais cumpridas como, por exemplo: Construção de Ponte ou Túnel para passagem entre Santos e Guarujá, Limpeza e despoluição dos rios Tietê, Pinheiros e Tamanduateí que cruzam a cidade de SP, Construção de Estações de Tratamento de Esgotos em várias regiões da cidade e do Estado.
A mobilidade urbana é outro grande problema na cidade, as ampliações necessárias de linhas de Metrô e trens urbanos são construídas de acordo com o cronograma eleitoral do partido e não da necessidade dos usuários do sistema. Com isso, a cidade vai ficando cada dia com o trânsito pior e a poluição maior. Várias agências foram criadas nos mesmos moldes das federais, servem como grandes cabides de emprego para todos os políticos, principalmente os que perdem eleições no interior do Estado.
A corrupção é um mistério neste período governado pelo PSDB, pois políticos não são presos nem investigados como em outros Estados. Corrupção na obra do Rodoanel com pagamento de propinas, Cartel dos trens no Metrô e na Cia. Paulista de Trens Metropolitanos – CPTM, Fraudes na distribuição e licitações das merendas escolares, sem que nada esbarre num dos ex-governadores ou deputados federais e estaduais do partido.
Mário Covas, Geraldo Alckmin, José Serra e agora João Dória torraram recursos com publicidade, porém, nunca fizeram jus ao tempo de governo (25 anos) suficiente para poder revolucionar ensino, saúde e habitação popular, entre outras coisas.
A famosa locomotiva virou trenzinho de parque de diversões, por que não saí do lugar e gasta muito mais do que arrecada. Indústrias saem todo mês do Estado para abrir em outras regiões do país por conta de impostos com alíquotas menores.
As mentiras não param e é um dos pontos fortes dos que ocuparam a cadeira de governador desde 1995. Para se ter uma ideia atual, o PPA – Plano Plurianual 2020-2023 enviado pelo governador João Doria a ALESP exclui promessas feitas pelo próprio governador na campanha a sua eleição em 2018. Construção da Ponte Santos-Guarujá, Concessão e Sistema de Balsas, Conclusão da Linha 6 do Metrô, Construção da Linha 18 (Monotrilho), Construção do Ferroanel e o pior de tudo Construção de 20 hospitais regionais… E o povo está feliz, por que mesmo tendo como candidato um sujeito que abandonou a Prefeitura de SP, para concorrer ao governo do Estado um ano após ser eleito, não tem como esperar mudanças pelo voto. Parece que o buraco é muito maior…

*Escritor, Blogger e Graduado em Gestão Pública.

Free WordPress Themes, Free Android Games