Rafael Moia Filho*

A ignorância é a maior
enfermidade do gênero humano
Marco Túlio Cícero.

Alguns dados foram tirados de uma entrevista concedida pelo economista Pérsio Arida para o pessoal da XP Investimentos. Infelizmente para os 38% de eleitores que sufragaram seus votos em Jair Bolsonaro, o economista está coberto de razão.
Antes de entrar na questão do engodo, não posso esquecer a frase retumbante do deputado Rodrigo Maia – DEM-RJ sobre o governo atual “O governo Bolsonaro é um deserto de ideias” Nada poderia ser tão verdadeiro e tão preocupante para um país que saiu dividido das eleições, porém, esperava um mínimo de avanço, trabalho e seriedade.
Por que então chamar Jair de um engodo?
Simples, ele enquanto deputado federal defendendo vários partidos, por 28 anos representando o Estado do Rio de Janeiro, teve uma atuação que não vai de encontro ao seu atual perfil conservador, ultra-direita e defensor de um Estado mínimo, senão vejamos:
Votou contra o Plano Real do PSDB;
Votou contra a quebra do monopólio das Telecomunicações;
Votou contra a quebra do monopólio do Petróleo pela Petrobrás;
Votou contra a reforma administrativa que impunha um teto de gastos aos funcionários públicos federais;
Votou recentemente contra o cadastro positivo;
Votou a favor do Regime Especial de Aposentadorias para Deputados e Senadores;
Ou seja, é um engodo na medida em que votou como se fosse um estatizante de esquerda. Somente depois de 25 anos de atuação parlamentar conseguiu aprovar um projeto seu em plenário. Um desempenho pífio, mas que mostrou antecipadamente aos eleitores desatentos que não se poderia esperar muito deste político tosco e sem perfil de liderança para exerce um cargo no poder executivo.
A pauta usada na campanha eleitoral visava conquistar o voto da bancada evangélica que poderia conseguir atrair o eleitorado evangélico, sempre muito mais conservador, usando para isso a questão da família e da ideologia de gênero. A bancada da bala, que representa o segmento da sociedade que quer a liberação das armas, antigamente patrocinados pelas empresas de armamento nacionais e estrangeiras. Porém, não havia na pauta de Bolsonaro discussões sobre questões estruturais do país, motivo pelo qual agora com mais de noventa dias de governo fica a sensação do deserto de ideias e projetos.
O nosso país precisava de um governante experiente em negociação, com condições de dialogar com os diversos segmentos da sociedade, entendendo assim, os principais desafios do Brasil para conseguir atrair investimentos e poder voltar a crescer de forma sustentável. O discurso de que isso será alcançado apenas com a aprovação da reforma previdenciária é outro conto de fada.
Aos poucos a sociedade vai se dando conta e percebendo que se deixou ser enganada acreditando que tudo poderia ser melhor, simplesmente não reelegendo o partido dos trabalhadores, mas isso é também foi um engodo.

* Escritor, Blogger e Gestor Público.

Free WordPress Themes, Free Android Games