Paulo Panossian#

A menos de 30 dias do importante pleito de 07 de outubro, no qual, vamos, e se possível com responsabilidade, escolher deputados estaduais, federais, senadores, governadores e principalmente o novo presidente da República, convido os leitores a revisitar relevantes acontecimentos que ocorreram entre 2013 a 2018, incluindo as positivas manifestações populares pelas ruas e avenidas do País! Como em 2013, o povo nas ruas contra a corrupção, o elevado preço das passagens do transporte urbano, etc. Evento esse popular importante que antecedeu a histórica e maior caça aos corruptos, iniciada em 2014, envolvendo o MPF, e a Polícia Federal, o judiciário, como das operações da Lava Jato. Que, com o sucesso de dezenas de operações, contabiliza mais de 200 figuras de destaque do mundo politico e empresarial, que investigados, foram condenados, e muitos já presos, como o formador de quadrilha, e corrupto Lula. Em março de 2015, indignados com a classe política, mais de 2 milhões de pessoas saíram às ruas, assim também, em março de 2016, ocorreu outra manifestação popular, que conforme a policia militar, 3,6 milhões de pessoas surpreenderam o País, quando exigiam o imediato impeachment da Dilma Rousseff (PT). Presidente esta, que, desgraçadamente protagonizou a pior recessão econômica da nossa história. Quando o nosso PIB, entre 2015 e 2016, teve um tombo de 7,2%, milhares de empresas faliram, gerando um contingente histórico de 14,2 milhões de desempregados. E que, até hoje, o povo está pagando por esta perversidade da gestão do PT. Porém, e finalmente, em 12 de maio de 2016, a Dilma foi afastada do cargo, e Michel Temer, seu vice assumiu o Planalto. E, em 31 de agosto deste mesmo ano, a presidente sofreu seu impeachment no Congresso. O mérito de Temer, foi montar uma equipe econômica competente, que logo teve apoio do mercado! Mas, o buraco que a Dilma deixou nas contas públicas, que, em 2016, foi de déficit de R$ 169 bilhões, levará mais alguns anos para eliminar esse rombo nas contas públicas. Como consequência o nível de investimento ruiu, e obras foram paralisadas, etc. Porém, um forte corte de gastos foi implementado, desde o combate às fraudes do Bolsa-Família, seguro-desemprego, auxílio-doença etc., em que, o governo conseguiu economizar mais de R$ 20 bilhões. E para tentar estancar as despesas também, em boa hora, foi aprovado no Congresso, o projeto do Teto dos Gastos, limitando a liberação de verbas do orçamento, calcado no índice inflacionário passado e crescimento do PIB. Modestamente em 2017, o desemprego foi diminuindo, o PIB cresceu 1%, juros caíram, e a inflação despencou. A importante e inadiável reforma da Previdência enviada pelo Planalto, ao Congresso, que já estava engatilhada sua aprovação, infelizmente foi adiada, porque o ex-PGR, Rodrigo Janot, armou uma cilada contra o Temer, ao utilizar o diretor da JBS, Joesley Batista, para que, este gravasse um áudio com o presidente, diga-se, de péssima qualidade e inaudível, mas, que colou para opinião publica como comprometedor… Nesse embalo, Temer, foi denunciado por duas vezes, e por pouco não foi deposto. E, em meio a uma crise política, para piorar, a nossa economia que vinha crescendo a uma velocidade que poderia pela previsão dos analistas crescer neste ano 3%, e alta na criação de empregos, sofreu um duro golpe com a greve dos caminhoneiros no mês de maio deste ano. Que por 11 dias gerou total desabastecimento, e impediu o bom andamento do setor produtivo. E devido a esta estúpida greve o nosso PIB, deverá no máximo crescer 1,5% em 2018. E finalmente nas portas da eleição, com o horário politico no Radio e na TV, em curso, o líder nas pesquisas Jair Bolsonaro (PSL-RJ) sofre um atentado, em Juiz de Fora (MG), quando um cidadão em meio ao povo lhe acerta uma facada no intestino. Será um crime politico, ou apenas um maluco que era contra o Bolsonaro?!… De qualquer forma ruim para democracia. Mas, podemos reverter esse clima negativo no próximo pleito de 07 de outubro, se os eleitores com responsabilidade escolherem um novo presidente comprometido com o desenvolvimento do Brasil…

CIRO SOBERBO E RADICAL

Ciro Gomes (PDT-CE) está se mostrando um incendiário, e um risco para nossa sociedade se vencer o pleito de outubro, para o Planalto.  Soberbo e radical, sabatinado no jornal O Globo, fez duras criticas a dois generais, como ao comandante do Exército, Eduardo Villas Boas, mais em função sobre o teor de que sua entrevista ao Estadão, dizendo que, em seu governo seria  “demitido e pegaria cana”, e ao vice de Jair Bolsonaro (PSL-RJ) General Mourão, disse ser “um jumento de carga”.   Já imaginaram esse Ciro, inconsequente e boca suja como presidente do Brasil?! Cruz credo!  É o mesmo candidato que promete jogar no lixo as importantes reformas feitas pelo atual governo, como a “trabalhista” que modernizou a relação capital/trabalho, a do “teto dos gastos” sem a qual, hoje, o rombo nas contas publicas, de herança petista, que neste ano terá um déficit de R$ 159 bilhões, teria duplicado. E também, muito íntimo do Lula, e do PT, promete fazer uma reforma da Previdência, em regime de capitalização, ineficiente e inadequada para o nosso País. Pior ainda, para um político com esse comportamento autoritário, como do Ciro Gomes, que dificilmente terá apoio do mercado e menos ainda do nosso Congresso, para aprovar importantes e inadiáveis reformas constitucionais…

PESQUISA RUIM PARA TUCANO

Enquanto o Jair Bolsonaro (PSL-RJ) nada de braçada para chegar ao segundo turno, já que, lidera esta corrida presidencial para o Planalto, com 26%, como indica a última pesquisa o Ibope, o quadruplo empate técnico para segunda vaga do segundo turno, como de Ciro Gomes (PDT-CE) com 11%, Marina Silva (Rede-AC) e Geraldo Alckmin (PSDB-SP) com 9%, e Fernando Haddad (PT-SP) com 8%, será uma disputa bem complicada principalmente para o candidato tucano, que vai precisar crescer muito em seu reduto, o Estado de São Paulo.  Que na última pesquisa Datafolha, Alckmin, tinha apenas 18%, e vai precisar no mínimo alcançar 35% dos 33 milhões de eleitores do seu Estado, para tentar disputar o segundo turno. Isso levando em consideração que na pesquisa do Ibope, o tucano tem 9% nas regiões Norte/Centro-Oeste, 7% no Nordeste, 8% no Sul, e no Sudeste, míseros 10%.  E agora com seu colega de partido, o ex-governador do Paraná, Beto Richa, preso, e outro tucano como Reinaldo Azambuja, governador do Mato Grosso do Sul, que sofreu busca e apreensão da Policia Federal, por fortes indícios de corrupção, a tarefa de Geraldo Alckmin, para convencer o eleitorado fica redobrada…

 

,

ELEITOR MAIS MADURO

A facada, que, infelizmente levou o Jair Bolsonaro (PSL-RJ) não atingiu o eleitor! Apesar da forte reação do povo brasileiro contra esse horrível atentado, na pesquisa Datafolha, como muitos até especialistas em campanha eleitoral esperavam, o candidato Bolsonaro, cresceu pouco na preferência do eleitorado, como de 22% da pesquisa anterior para 24%. O que demonstra que o eleitor está mais maduro, e não está decidindo de forma emocional! Por outro lado, nesta mesma pesquisa, acende o sinal vermelho para Marina Silva (Rede-AC) que despencou verticalmente em todas as regiões do País, caindo de 16% para 11%. Vale destacar que melhor está para Ciro Gomes (PDT-CE) que de 10% subiu para 13%, crescendo bem nas regiões Norte – Nordeste- Centro/Oeste, e caiu um pouco no Sul, e praticamente estacionou no Sudeste. Já o Geraldo Alckmin (PSDB-SP) cresceu bem no Norte, Nordeste, Centro/Oeste e Sul, porém, estacionou no Sudeste. Já o líder nas pesquisas Jair Bolsonaro, não cresceu no Sul, Nordeste e Centro/Oeste, mas, cresceu no Norte e Sudeste. E o Fernando Haddad, somente confirmado nesta terça-feira dia 11/09 como candidato do PT, apareceu com 9%, e a pesquisa anterior de forma alguma deveria servir de parâmetro. Mas, uma advertência, pelos números apontados por esta pesquisa do Datafolha em todas as regiões do País, esse crescimento do Ciro Gomes, e do Alckmin, deveria preocupar o candidato Bolsonaro, de inclusive chegar ao segundo turno…

MARINA DESESPERADA

Lamentável, que, a candidata Marina Silva (Rede-AC) somente depois que despencou na preferência do eleitorado em todas as regiões do País, como indica a última pesquisa Datafolha, que, de 16% caiu para 11%, é que teve a coragem de finalmente reconhecer que o presidiário Lula, que está encarcerado há 5 meses, é corrupto… Demorou Marina!

Jornalista – paulopanossian@hotmail.com

Free WordPress Themes, Free Android Games