Rafael Moia Filho

O ex-agente da NSA/CIA Edward Snowden alertou em 2011, que o Brasil, Paraguai e Honduras estavam sendo espionados de forma descarada pelos americanos. Honduras em virtude da Lei contra o trabalho escravo, visto que naquele país da América Central estão instaladas várias indústrias têxteis americanas e fábricas de jeans que usam trabalho infantil (vide vídeo: Iluminatti).
No nosso vizinho Paraguai, a queda de Fernando Lugo, conhecido como o “bispo dos pobres” por seu histórico de liderança dos movimentos sociais quando era bispo católico. Lugo assumiu a Presidência com uma ampla aliança, porém, acabou governando sem maioria na Câmara dos Deputados e no Senado.
Embora praticamente nenhum veículo da mídia tenha noticiado, uma das causas foi a Lei dos Transgênicos, que afetou a Empresa Monsanto. O golpe contra a democracia do Paraguai contou com a participação dos tucanos do Paraná, os sinistros irmãos Álvaro e Osmar Dias. Na capital daquele país, Assunção eles usaram na mesma época o jato do doleiro e office boy dos tucanos Alberto Youssef.
Álvaro Dias e Osmar Dias são velhos conhecidos do doleiro tucano Youssef, pois ele financiou em 2009 várias campanhas tucanas. O ex-agente da CIA, Edward Snowden alertou que o Brasil estava ultrapassando a Inglaterra em taxas de crescimento na indústria com a produção no pré-sal e gerando empregos para milhões de pessoas em estaleiros recém-construídos.
O jornalista americano Glen Greenwald, reforçou a denúncia do ex-agente da CIA e alertou que a descoberta do pré-sal estava colocando o Brasil em destaque. O que poderia possibilitar que a Petrobras dominasse a produção com altas taxas de produtividade, pois atingiu a meta de um milhão de barris em tempo recorde de apenas quatro anos.
Convém lembrar que o pré-sal é a última descoberta de campo gigante feita no planeta com 176 bilhões de barris e poços com elevadíssima produtividade. Portanto as petrolíferas anglo- americanas logo trataram de conspirar contra o Brasil com ajuda da Rede Globo, que foi criada totalmente com capital norte americano em 18.06.1963 para derrubar o então presidente João Goulart – Jango.
Segundo o: livro A história secreta da Rede Glob, escrita por Daniel Herz, a emissora foi criada com capital da Time e dos bancos credores sediados em New York. Teriam sido usados U$ 61 milhões que ajudaram a financiar a derrubada de Jango, por causa da Lei 4131 de controle de remessas de lucros ao exterior.
Em março de 2015 vazaram e-mails entre o senador José Serra (PSDB-SP) com a empresa americana Chevron que já havia sido expulsa do Brasil pela tentativa de roubo de óleo do pré-sal no campo de prospecção de Frade, o que acabou resultando num desastre ambiental.
Aliás, a Chevron Exxon Mobil Shell e a BP respondem a centenas de processos no mundo por desastres ambientais. Os casos de Macondo e Exxon Valdez são os dois maiores da história do petróleo. Na troca de mensagem entre José Serra e a Chevron havia a seguinte mensagem: “Calma, vamos derrubar o governo e entregar o pré-sal, vamos revogar a Lei da Partilha e isentar as petrolíferas estrangeiras de impostos”.
Para entender toda essa trama do golpe ocorrido em 2016, teremos que reprisar a história das privatarias tucanas que transferiram para o capital estrangeiro 137 (Cento e trinta e sete) empresas nacionais. Ação que teve no Estado do Paraná o local da captação de propinas pagas a 300 políticos obedientes a FHC. Escândalo que ficou conhecido como Banestado. Apelido do Banco do Estado do Paraná que captou U$ 125 bilhões pagos pelas multinacionais a políticos picaretas e corruptos.
O escândalo Banestado envolve os mesmos doleiros, os mesmos procuradores e os mesmos juízes que abafaram esse esquema gigantesco de captação e lavagem de dinheiro no Paraná. O caso era considerado por alguns políticos com a Nitroglicerina da política brasileira, muito diferente do rigor da planejada e bem executada Operação Lava Jato que ocorre na capital do mesmo Estado.

*Administrador de empresas e jornalista

Free WordPress Themes, Free Android Games
%d blogueiros gostam disto: